Mesas, Meseiras, Table Décor e Cerimonialistas

 

As Meseiras – resgataram o prazer de montar uma mesa dedicando a isso tempo – para que refletisse através de detalhes (e com beleza) o carinho e importância contido em uma reunião, partilhando uma refeição ao redor da mesa.

Em poucos anos – e alavancando um importante nicho de mercado tanto de vendas quanto de eventos – as Meseiras formaram grupos em seus estados mesmo fora deles. Além de valorizar o convívio em família e amigos. Mesaposta  voltou a ser assunto sério .

Mas é preciso entender os outros conceitos:

Cerimonialista – no conceito amplo e correto da palavra, é a pessoa que participa de um evento desde o seu planejamento, acompanha a montagem e participa do mesmo até o final – coordenando ou em outra função específica.

Precisa, para isso, conhecer o Decreto Federal e o Protocolo Internacional também no que se refere a eventos. Ou seja, tem uma sólida formação técnica que lhe permite exercer a função.

Dentro desse conceito, um Cerimonialista entende de Mesaposta pois precisa conhecer precedência, acessórios e plano de mesa para montar, por exemplo, um jantar entre autoridades.

O contrário não se aplica: Meseiras, não tem obrigação de conhecer Cerimonial em profundidade mas, (e aqui faço um apelo a todas elas) devem se esmerar para entender e aplicar as regras de Etiqueta sem extrapolar nem se entregar a muita experimentação!

Explico: levamos séculos para aprimorar a Mesaposta que tanto apreciam mas,  por excesso de entusiasmo e as vezes por desconhecimento, vejo abusos sobre a mesa de algumas meseiras mais entusiasmadas. Muita calma…

Table Décor– é preciso separar as coisas: mesaposta é uma coisa – aquela que usamos em casa e para comer de verdade e partilhar momentos. Table Decor é aquela mesa montada em vitrines ou exposições para vender – e aí vemos excesso de itens, cascalhos e florestas montadas no centro da mesa (que em ambiente doméstico ou para comer não se justifica).

As duas fotos abaixo por exemplo estão lindas para expor itens e acessórios. Mas reparem nos excessos: arranjos de flores e velas muito altos e, na da direita o vasinho (que não deve estar sobre o prato) sobre outro pratinho e uma cumbuca que provavelmente não será usada … Ou seja, uma mesa pensada para a foto mas, certamente inconveniente para esse comer na pratica

Como o nome diz: é uma mesa decorativa. Mas na prática inviável para refeições – principalmente as oficiais ou mais formais.

E agora vejam a diferença da mesa abaixo montada para um almoço ao ar livre na Casa do Anfitrião em São Paulo: com exceção das flores, todo o resto ali tem uma função e lugar especifico. Isso, assim como as duas fotos que abrem esse post, é Mesaposta.

 




Programa “Todo Seu” de Ronnie Von na TV Gazeta




O que é ser elegante?

 

Segundo a professora Astrid Bodstein, com quem concordo completamente, ser elegante é ser deliciosamente simples. Singelo. Singular!!!

Ser elegante é ser paciente com os outros – Inclusive em seus momentos de maior dificuldade. É saber se calar na hora certa, é saber observar e guardar  para si algo que possa constranger o seu próximo.

Ser elegante é saber oferecer um feedback com amorosidade… mesmo quando estamos desestruturados internamente.

Ser elegante, é dominar a arte da empatia – colocando-nos no lugar do outro….de acordo com os pontos de vista e valores dele.

Ser elegante é vencer a tentação de julgar quem está por perto (ou mesmo longe). Já dizia um antigo ditado judeu:  para julgar, é preciso conhecer. E se você conhece, você não julga!!!

Ser elegante é saber estimular mesmo quando tudo parece perdido em meio a tantas complicações. Mas, estimular com o coração… não apenas com palavras vazias.

Ser elegante é saber ser agradecido em todas as ocasiões. Ser elegante é querer ser companheiro em todos os momentos possíveis.

A professora Astrid, acerta cirurgicamente em cada palavra, não acham? Ainda mais em tempos como o que estamos vivendo, com todos os ânimos tão acirrados… Mais amor, atenção e delicadeza só podem fazer bem – não se pode negar!

E se quiserem seguir o perfil da Professora Astrid no Instagram, vão se deliciar com seus videos, pinçados com cuidado sobre a nobreza europeia – da qual pode-se dizer tudo menos que não são elegantes…

Astrid Bodstein no Instagram: @royaltyandprotocol

Contato para palestras – (65) 999651984




Como e porque usar dois guardanapos – de pano e de papel

 

Veja nesse vídeo que há um motivo para aquele guardanapo de papel (napkins) menor estar estrategicamente  colocado entre o guardanapo maior de pano.

Embora você não tenha duas bocas, você vai ver que é possível sim encontrar um bom uso para os dois guardanapos!

 




Visual para o trabalho: afinal, com que roupa?

 

O que vale e o que não vale? Difícil dar um orientação super precisa uma vez que esse é um assunto muito pessoal. Mas, talvez valha a pena a gente parar para rever alguns ícones de vestuário.

Gravata– algumas instituições financeiras super tradicionais já aboliram a gravata de seu dress code– mesmo para quem ocupa  cargos mais altos. Estão, na verdade seguindo uma tendência mundial, que vem adotando uma informalidade cada vez maior mesmo no ambiente de trabalho.

Paletós e calças sociais–  continuam em alta,  pelo menos nas áreas financeira e jurídica mas hoje é possível ver executivos e funcionários com calças modelo skinny, mais modernas assim como os paletós mais acinturados, que ajudam a quebrar o tom de formalidade muito forte.

Não vale tudo– mesmo sem um dress code rigoroso ainda é preciso se vestir de modo a refletir os valores de sua empresa e a sua identidade – assim como a roupa deve estar de acordo com a sua ocupação.  E isso vale para homens e mulheres.

Se você trabalha com agronegócio ao ar livre, é natural adotar um visual mais despojado e esportivo. Se trabalha na área jurídica, o tom é um pouco mais formal. É o que já não acontece com quem trabalha em áreas artísticas ou criativas como comunicação, publicidade etc.



Sigo o cliente ou meu estilo? 
A ideia de se vestir de acordo com os clientes tem a ver com o desejo de estabelecer uma sintonia para facilitar a comunicação. Se o cliente se identifica no momento em que bate o olho em você, é mais fácil  envolve-lo e, literalmente conseguir uma cumplicidade que, sem essa empatia torna-se  muito mais difícil..

Eternos curingas– alguns itens como camisas brancas – tanto para homens quanto para mulheres – são clássicos do guarda-roupa corporativo. No caso de mulheres, saias-lápis,  vestidos envelope, pantalonas escuras e lisas e vestidos tubinho mais estruturados são alguns dos itens que nunca saem de moda e sempre podem ser usados com outras peças – variando do mais conservador ao mais descolado.

“Sou mais eu”– tem gente que se recusa a adotar um visual mais antenado com a empresa o os clientes pois acredita mais no seu estilo. Beleza. Mas isso pode tanto ajudar quanto  atrapalhar a comunicação entre clientes e fornecedores e muitas vezes até “empacar “ um negócio.

Moda é um mix de tendências, estilo,  estado de espírito e, naturalmente de adequar tudo isso a ocasião e ao biotipo.

Portanto é uma coisa dinâmica e que podemos perfeitamente adaptar sem adotar uma postura rigorosa – seja para um lado ou outro. E é para ser, principalmente uma coisa divertida – lembre disso!