Pitaco

Como o nosso Picadinho conquistou a realeza

Imagem da fachada superior do hotel Copacabana Palace no Rio de Janeiro, totalmente na cor branca e as letras do nome do hotel e enormes letras na cor marrom escuro.
image_pdfimage_print

Copacabana-Palace-Rio-de-Janeiro_claudiamatarazzo

Foi no Rio de Janeiro dos anos dourados que ele passou das mesas mais modestas para os grandes salões

 O Picadinho Carioca não é um picadinho qualquer. A carne deve ser cortada na faca, dourada em óleo, temperada a gosto e servida acompanhada de arroz, ovo poché, batata noisette (redondinha e dourada na manteiga), couve refogada, ervilha, farofa, às vezes caldo de feijão e banana frita ou à milanesa.

Na década de 50 que passou a se chamar Picadinho Meia-Noite, incorporado ao cardápio da elegante boate com o mesmo nome do sofisticado Copacabana Palace.

picadinho-boemio-rio-claudiamatarazzo

Ali, deixou de ser comida de pobre, e que deu esse upgrade a receita foi Paul Ruffin, chef executivo do Copa, que ditava a moda culinária na cidade.

Por sua inspiração, e do Barão Max Stuckart, o exigente gerente do Copa, o Meia Noite foi o berço desse um prato que acabou por sacudir a cozinha nacional.

barão Max Von Stuckart3 - claudiamatarazzo

Da maneira como Stuckart o concebeu, a carne era sempre de primeira: pontas de filé-mignon picadas- temperada com cebolinha, louro , sálvia, segurelha, alecrim e manjericão , além dos convencionais sal, pimenta, tomates machucados e manteiga

O resultado era servido numa rústica travessa de barro, com arroz, agrião picado, farinha de mesa e um ovo poché por cima.

A exemplo da sopa de cebola em Paris, o picadinho revelou-se ideal para salvar vidas em horas mortas e recuperar disposições abaladas por uísques além da conta – mais ainda depois que, adotado até mesmo abstêmios e pelos que dormiam cedo, se generalizou pela noite do Rio.

Foi o primeiro prato assumidamente brasileiro a dividir os pernósticos cardápios finos cariocas – que então brilhavam nas mesas como “Jambon d’York Braisés au Madere “ e “Délices de Robalo à la Bonne Femme”.

jambon-braise-au-cidre-de-normandie_claudiamatarazzo

Em pouco tempo tornou-se o prato preferido de políticos, empresários, diplomatas, artistas e intelectuais nacionais e e estrelas de Hollywood em visita à cidade.

Seus os adeptos mais fiéis foram os playboys, a começar por Jorginho Guinle – sobrinho de Octávio Guinle, fundador do Copa em 1923 – e seus inseparáveis amigos Baby Pignatari, Carlos Niemeyer, Ibrahim Sued, Mariozinho de Oliveira e Sérgio Peterzone.

Copa-Rio_kim-novak-e-jorge_guinle_claudiamatarazzo

Jorginho Guinle e Kim Novak

Mas, entre seus fãs, estava, imaginem só, o Presidente Getúlio Vargas – que chegava a sair do Palácio do Catete para saborear a iguaria.

O jornalista e escritor Ruy Castro, conta esses e outros detalhes da vida noturna do Rio no ótimo livro ‘A Noite do Meu Bem’ (Companhia das Letras São Paulo, SP, 2015)

Amanhã, vamos dar a receita caprichada desse prato, ideal para recuperar as forças em uma quarta feira de cinzas,  tal e qual vi na Revista Gosto  – que , como sabemos, prima pela exatidão de suas deliciosas dicas!

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR

Sem comentários

Deixe um comentário