Pitaco Visual além da Moda

Botões de roupas femininas e masculinas – Esquerda e Direita – veja porque

image_pdfimage_print

 

Como muitos costumes antigos, ninguém sabe com certeza as origens dessa tradição que até hoje é mantida pelos estilistas.

Mas existem algumas possíveis explicações.

Armas  e proteção – no caso das roupas masculinas, a explicação mais provável vem das guerras, segundo  cronistas de época  “para garantir que a lança de um inimigo não escorregasse entre as chapas”, as armaduras “eram sobrepostas da esquerda para a direita, já que nas lutas o lado esquerdo do corpo, protegido pelo escudo, era virado para o inimigo. Assim, os casacos masculinos se fecham da esquerda sobre a direita até os dias de hoje”.

Outra explicação que corrobora esta teoria é a facilidade ao empunhar uma arma. Até pouco tempo atrás, em muitas culturas os canhotos eram forçados a usar a mão direita. Então, por padrão, as armas ficavam do lado esquerdo da cintura, para serem empunhadas com a mão direita. Para facilitar esse movimento, faz sentido os botões da roupa ficarem do lado direito.

 Criadas e leite – nas roupas femininas existe uma outra explicação: a estilista Melanie M. Moore, dona da marca Elizabeth & Clarke, explica que quando os botões começaram a se popularizar, no século XIII, eles eram caros, usados apenas pelas famílias mais abastadas.

“As mulheres ricas daquela época não se vestiam, eram as criadas que faziam o serviço” — contou Melanie. — “como a maioria das pessoas era destra, o botão do lado esquerdo tornava mais fácil para alguém que está a sua frente abotoar o vestido”.

Outra possível explicação está na facilidade para amamentar: as mulheres destras, normalmente, apoiam o bebê no braço esquerdo, para ficarem com o direito livre. Dessa forma, a roupa com o lado direito se sobrepondo ao esquerdo facilita o movimento de desabotoar com a direita para oferecer o seio esquerdo ao bebê.

Fonte Livro  “A Arte da Cavalaria: armas e armaduras europeias” do Metropolitan Museum

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR

Sem comentários

Deixe um comentário