Case e arrase Etiqueta sem Frescura

SE CASAR NÃO BEBA

image_pdfimage_print

noivas-bebendo1

Não é exagero: o consumo de bebida alcoólica já foi muito menor: calculava-se uma garrafa para cada 4 até 5 pessoas.

Hoje, todos que trabalham em eventos sabem que, exceto em festas evangélicas, a conta é de 1 para 1!! Confira aqui algumas das histórias desses desastres – as publicáveis:

Chama os bombeiros – a balada corria solta. Aí um convidado criativo resolveu brincar com o extintor de incêndio: com ele em punho espalhou espuma por todo o salão, deixando o chão escorregadio, contaminando a comida do bufê e manchando a roupa das mulheres. Legal né?

Noiva ponta firme – deslumbrante e feliz, depois de várias taças de espumante a noiva levantou um brinde ao garçom boa pinta. Que achou aquilo o máximo. Dois brindes depois ela se sentia ousada : propôs a ele subirem a sua suite nupcial, vários andares acima do salão da festa. O moço topou – e ela não voltou pra cortar o bolo. Foi encontrada horas depois, na cama, apagada e nua. E não emplacou nenhuma explicação que convencesse seu noivo a reatar…

O Brinde do Pai da Noiva – ele brindava com todo mundo e chamava o fotógrafo para registrar. Aí resolveu inovar: chamou o cinegrafista porque aquele era um amigo especial, da vida toda e o momento era de puro afeto: tirou o sapato e, na frente de todos encheu-o de champanhe e ofereceu ao amigo – da vida toda mas ainda sóbrio – que recusou com expressão horrizada, registrada para sempre pela câmera. Quem precisa disso ??

O Amigo da Onça – vendo que estavam todos alterados o pai da noiva avisou a cerimonialista que iria suspender um pouco o serviço. Um amigo do noivo, chegou já alterado – e pediu ao garçom uma taça. Ingenuamente o moço respondeu que o serviço estava suspenso por ordem do pai da noiva.

O sujeito foi direto falar com o noivo e disse que ele era um Mané por deixar o sogro mandar nele – ainda mais na sua festa de casamento. O noivo foi tirar satisfação com o sogro , o cunhado viu aquilo e partiu pra cima do noivo sem dó.

Resultado: fim da festa de mais de 400 pessoas, uma quebradeira dos infernos onde não sobrou uma taça ou lâmpada inteira, com enorme prejuízo para os fornecedores e o casamento acabou ali – com os noivos dormindo em casas separadas e as famílias brigadas para sempre.

Sujou Geral – uma madrinha muito alterada continuava a dançar na pista na base do balança mas não cai. Não houve Cristo que a convencesse a largar a taça ou sair da pista. Cantava junto, dançava e ria muito. A uma certa altura riu tanto que deixou escapar o xixi. Pensa que percebeu? O porre era tamanho que ela, sem atinar onde estava agachou e terminou o serviço evacuando em plena pista.

Entendeu porque vale a pena reduzir o consumo? Se quiser fartura, compre uma boa quantidade de bebida mas, oriente experessamente a pessoa encarregada que equilibre a distribuição e, se for o caso suspenda mesmoo serviço por intervalos de 30 minutos.

Se sobrar bebida? Os noivos poderão usar para brindar muitas alegrias num futuro juntos.

 

 

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR

Sem comentários

Deixe um comentário