10 ítens dispensáveis para economizar no seu casamento

Também sabemos que os apaixonados tem pressa e que as noivas e suas famílias fazem verdadeiras loucuras em nome do “ é só dessa vez” ou ainda do “eu mereço” e depois deixam assessores de casamento malucos querendo “ enxugar” o orçamento de uma festa que já está apalavrada, assinada e reservada e – pior – com uma enorme expectativa de “ impactar …

A Indústria do casamento se reinventou e hoje é das mais lucrativas mas, justamente por isso pode-se escolher,  questionar e dispensar uma série de seus produtos que foram lançados ora para resolver, ora para impressionar, mas, na maior parte das vezes apenas para inovar e faturar em cima do sonho e do impulso desses noivos/famílias mesmo!

Só para facilitar fiz uma lista de alguns itens que podem até ter valor mas que também podem perfeitamente ser dispensados de qualquer festa – inclusive as mais elegantes – sem o menor prejuízo com uma enorme economia para seu bolso.

  1. Drones e robôs – quem precisa disso? Drones fazem fotos e vídeos aéreos. Beleza, mas, para que mesmo precisamos de imagens com toda essa pirotecnia? O que vale mesmo em um casamento são as pessoas. E, estas vistas de cima, não tem a menor graça.
  2. Flores aéreas – se naturais além de ostensivo é antiecológico e, mesmo as artificiais mais poluem visualmente e encarecem do que enfeitam. Novamente: quem precisa olhar tanto para cima e ser impactado quando a emoção deve estar permeando as pessoas “em terra?”
  3. Projeção mapeada – de verdade? Acho brega. Melhor um bonito jogo de sombras feito por um bom iluminador/decorador.
  4. Passarela de espelho – mega brega. Além de 9 entre 10 noivas que usaram terem tido que parar com o véu ou vestido enroscado em cantos da dita cuja… Sem falar que igreja bonita não precisa de nada disso.
  5. Mesa de Doces Vip – aquela que precisa contratar uma babá para cuidar da mesa até que a noiva “tire fotos” com a mesa de doces. Gente! Menos! Tire foto da mesa sozinha e coloque-a já na saída, junto com cafezinho para que as pessoas só vejam nesse momento. Economiza nos doces e na babá… E se quiser, use uma linda mesa de sobremesas (mais em conta e muito decorativa) no meio do salão. Assim, todo mundo come de verdade e mata a vontade de tanto doce…
  6. Presente de padrinhos – piração e modismo dos mais sem sentido: pura invenção e caríssima. Esqueça.
  7. 2 Bandas sertanejas – uma banda ao vivo banda é caro duas é ostentação. Não é preciso duas para animar uma festa…
  8. Números Circenses – homens iluminados e outras graças em festa de casamento só se justificam quando os noivos carecem completamente de carisma e/ou personalidade… Eu hein?
  9. Fogos de Artificio – nem na praia, nem no campo nem ao ar livre. Encarece e tira a atenção do que realmente importa: vocês….
  10. Lenços e água no altar – com rótulo personalizados. Esqueça. A garrafa e os lenços – assim como seu dinheiro vão direto para o lixo. Lembre disso.



Suicídio entre jovens – Podemos evitar?

Estava lendo “Os 13 Porquês”, do Jay Asher, na época em que um desses casos aconteceu.  Nele, o autor faz você pensar em sinais quase imperceptíveis de que alguém precisa de ajuda. E contribui para que o tema seja repensado como algo comum, não somente exclusivo para pessoas solitárias. Qualquer um pode querer se matar  – e isso torna o livro difícil de ser lido.

Não é um livro sobre bullying, mas sobre como a forma que tratamos as pessoas, mesmo sem perceber, as afetam. Ou sobre como encaramos as coisas que fazem conosco, como lidamos com nossos medos, nossos traumas,  dúvidas e desesperos.

Tenho 32 anos com uma cabeça mais madura do que tinha aos 18, 20 anos (ainda bem). Sou uma pessoa adulta, que cresceu e consegue enxergar situações com lógica e racionalmente.

Já os jovens não: eles só vivem e sentem. Sentem os boatos, as dificuldades de adaptações, muitas vezes não se sentem queridos, notados ou compreendidos.

Nós não somos iguais. Cada um reage a uma determinada situação do seu jeito – o que é pesado para ele pode ser  simples e superficial para você. Mas dê a importância que ele acha que merece, não menospreze!

Por exemplo, um dos meus amigos… Ele era inteligente (um dos melhores da classe), engraçado, gentil, bonito e eu o adorava. Vivia fazendo piada e não tinha como ficar triste perto dele. Foram quase quatro anos ao seu lado e um dia, nosso amigo se foi. Não vem ao caso colocar como foi… A mãe dele ligou para um de nossos amigos e disse que ele tinha deixado um carta falando que não aguentava mais as pressões do dia a dia, que estava com depressão, se sentia só e que queria pôr fim naquela dor. E ponto!  Ele tinha 24 anos…

Fiquei me perguntando por um tempo, como alguém que era a alegria em pessoa podia estar com depressão? Alguém que vivia rodeado de amigos podia se sentir sozinho? Que dor era aquela que ele sentia?

Com o tempo, fui esquecendo… até acontecer de novo. Outra pessoa próxima… só que dessa vez, estava um pouco mais atenta. Consegui ver que no final das risadas, havia aquela tristeza bem escondida. Ele já não participava das conversas – ele estava lá, mas seu pensamento realmente não estava. E seu olhar foi o que mais mudou. Não tinha mais “aquele” brilho. O olho dele era de um azul que só de olhar, você ficava hipnotizada.

Não fui a única a perceber, mas já era tarde demais, a gente falava com ele e ele meio que ignorava, tentamos por algum tempo. E nada. Até que o pior aconteceu…

As vezes eles até tentam conversar, dão indiretas – quase diretas – e seus pais nem reconhecem… “ah… a adolescência é assim mesmo, crise existencial todo santo dia…” NÃO!!! Escutem seus filhos, fiquem atentos ao seu comportamento, participem de sua vida.

Por isso repito… fiquem atentos aos seus amigos, filhos… são os pequenos detalhes que fazem a diferença. Uma conversa, um carinho, um cuidado… Isso pode salvar uma vida!!!




Como pedir feedback de entrevista de emprego

Um homem usando camiseta azul clara, está usando o celular diante de uma mesa de trabalho em casa. Sobre a mesa muitos papéis, canetas. Ao fundo , uma janela de vidro, onde temos um belo jardim

Pedir feedback de uma entrevista de emprego é fundamental e contribui para a evolução profissional do candidato. Entretanto, nem todos têm facilidade em solicitar tal retorno.

Recrutadores são pessoas ocupadas e, muitas vezes, não gostam de dar feedback a pessoas que não conhecem muito bem. Eles não querem ter que defender sua decisão para um candidato.

Vale a Pena? – antes de gastar energia tentando ter o seu feedback, faça estas perguntas: Realmente quero o trabalho? Sou um candidato preparado para tal função? Eu me sai bem? Se respondeu sim para todas, então peça, pois é importante saber se há diferença entre as suas percepções e a do recrutador e o que foi que aconteceu para não conseguir o emprego.

Como pedir feedback – empregadores ocupados estarão muito mais propensos a investir tempo conversando com você se você parecer agradecido e aberto a ouvir. Então começar agradecendo a oportunidade ajuda bastante. Diga também, educadamente, que está desapontado por não ter conseguido, mas que gostaria de saber o porquê.

Manipulando o feedback – ouça mais do que fale e evite ser crítico ou defensivo, mesmo que discorde suas opiniões. Simon Lucas, da firma de headhunther (caçadores de cabeças) Society, onde “caça” e contrata só os melhores profissionais do mercado em área executivas, explica: “Por mais que o recrutador possa querer dar a você um feedback irrestrito, eles freqüentemente ficarão nervosos em expor críticas ou desafios por ser honesto demais”. Ele sugere que você pergunte a eles como você se compara aos candidatos que foram levados adiante. “Isso permite que eles apontem onde as lacunas em sua experiência podem estar de uma maneira que parece muito menos pessoal ou acusatória.”

Se você foi rejeitado em algumas entrevistas, talvez seja interessante você procurar treinar antes com uma pessoa apropriada e por que não um coach de carreira?

Procure qualquer coisa que possa ajudá-lo a melhorar seu desempenho em entrevistas, pois isso aumentará, sem dúvida, as oportunidades de carreira para você.




7 Dicas TOP para ficar calmo na entrevista de emprego

Os entrevistadores não são monstros, alguns até podem ser, mas é raro. Na verdade, eles esperam apenas que você seja único. Eles precisam preencher a vaga com a melhor pessoa. Para evitar que erros sejam cometidos e que uma chance de contratação seja desperdiçada, você precisa conseguir controlar as emoções, antes e durante da entrevista e ter um ótimo desempenho.

Prepare-se – por mais que pareça um “mico”, treine conversando com outras pessoas ou consigo mesmo. Fale sobre você, suas experiências, habilidades e competências. Deixe isso bem fresco na memória para que, quando o recrutador perguntar, você não se esqueça de nenhuma qualidade sua.

Waiting for interview

Pense nas suas perguntas – é de lei o recrutador perguntar se você tem alguma dúvida. Esteja preparado para este momento, elabore antes alguma dúvida pertinente ao cargo ou a empresa, demonstrando assim, que você realmente tem interesse.

Pesquise sobre a empresa – imprescindível né? É muito importante que você conheça e a empresa: sua história e os ramos em que atua. Se for oportuno, comente sobre algo que tenha lido. Isso vai demonstrar seu interesse em fazer parte da empresa e te dar mais segurança.

Organize-se para o dia da entrevista – além de pesquisar quanto tempo você levará para chegar até o local (isso é básico), deixe um tempo extra para os imprevistos: chuva, engarrafamento, não achar o caminho, etc… Assim, você evita de chegar estressado, suado, descabelado e pior de tudo: atrasado.

Antecedência – chegue cerca de trinta minutos antes. Aproveite esse tempo, pré-hora H para rever mentalmente tudo o que você já preparou e treinou para dizer. Outra boa forma de aproveitar essa meia hora é focar-se para diminuir a adrenalina e controlar a respiração.

Relaxe – não é fácil, mas sei também que vai conseguir. Encontre algo que possa levar ou fazer que te deixe calmo. Eu por exemplo, sempre levava um livro. Leitura para mim é o que há de melhor para relaxar. Ou quem sabe um joguinho no celular também ajudará… Se pensar bem, achará algo.

Cumprimente o entrevistador com um aperto de mão firme e se apresente pelo nome – Muitos não acham isso importante, mas é! Um aperto de mão, um olhar firme e uma linguagem corporal confiante (mesmo que por dentro esteja tremendo) são um grande passo para te deixar mais calmo e convencer os entrevistadores de que você sabe o que quer e onde está pisando.

Ouça, pense, fale – É importante ouvir o que o recrutador tem a dizer e depois pensar antes de responder. Se dê alguns segundos para entender a pergunta e, em seguida, prepare uma resposta de qualidade.

Olhe sempre para a entrevista como uma experiência de aprendizagem. Analise o que deu certo e o que poderia ser melhorado. Esta experiência será valiosa à medida que continua a procurar emprego, te deixando cada vez mais calmo a cada nova experiência.




Madrinhas de casamento: problema ou solução ?

Aí você percebe que uma de suas aliadas não está nem um pouco animada com o seu casamento e ainda está atrapalhando o andamento dele. E agora?

Bom, é uma situação bem complicada, ainda mais com seu nível de estresse lá no céu… Mas calma, falar “se não está feliz, não apareça” não é a melhor atitude certo? Então, por que não tentar avaliar o que está acontecendo? Converse com ela, se ela é sua madrinha, um mínimo de intimidade vocês tem para que essa conversa aconteça numa boa.

Diga a ela que está chateada com suas atitudes – para não dizer, decepcionada mesmo! E pergunte o porquê dela estar agindo assim. A menos que sua desculpa seja muito convincente e seu comportamento mude radicalmente, você pode “desconvidá-la” sem remorso. Assim ela começará a ser menos importante também na sua vida, que tal?

WINDSOR, ENGLAND – MAY 17:

Mas para que não chegue a esse ponto, vou dar alguma dicas para você escolher suas madrinhas da melhor forma…

  • Você realmente, realmente mesmo, quer que essa esteja ao pessoa ao seu lado no dia porque você a ama ou por que se sente obrigada a convidá-la por retribuição ao tempo de convívio?
  • Você pode ser sincera e superar pequenas brigas?
  • Você quer ter essa pessoa na sua memória para sempre?
  • Você acha que a sua amizade com ela corre risco de afundar?
  • As madrinhas se dão bem? Ok, elas não precisam ser melhores amigas, mas conviver bem é importante. Observe no chá-de-cozinha, chá-bar, e outros preparativos em que estiverem juntas para ver quem agrada e quem não…
  • Meu noivo aprova? (Sim, a opinião dele conta, certo?)
  • Ela vai te estressar mais ou vai te ajudar a resolver os problemas que aparecer?

Responda essas questões com calma e te garanto que vai ver bem mais tranquilo. Aqui também entra a confiança no seu instinto. E SIM, confie porque ele sempre ajuda muito!