O que Aprendemos na Pandemia

Tirando a tragédia de milhares de vidas, vale pensar em lições aprendidas nesse tempo histórico e tenebroso que estamos vivendo.

Podemos fazer (quase) tudo a distância – o tal comércio online funciona melhor do que se imaginava. Para quase tudo. A formação acadêmica ainda será um problema, mais por falta de estrutura e vontade política.

A tecnologia é nossa amiga – as lives fazem companhia, os canais de Youtube ensinam, os aplicativos facilitam a comunicação. E nem foi tão difícil aprender. Quem ainda não usava, acelerou, respirou e…  aderiu!

Pressa é uma doença – eventualmente podemos deixar alguma coisa para o dia seguinte – e até para a semana. E com isso aprendemos a priorizar – eu pelo menos, já fazia isso antes e agora estou levando esse exercício a extremos gratificantes!

Melhor percepção da natureza – não sei você, mas eu, que nunca tive dedo bom com plantas, de repente comecei a insistir em mais vasos, horta em casa etc. E não é que, cuidando, observando e cultivando sem pressa, elas respondem bonitinho? Não vou me espantar se começar a falar com elas…  se responderem, talvez estranhe muuuito!!!

Descobrimos novos talentos – duvido que alguém tenha passado por tudo isso sem descobrir que sabia fazer algo sequer imaginava gostar antes da pandemia.  Até os mais desanimados de repente aprenderam a cozinhar, costurar, pintar, consertar coisas, ajudar os outros, ensinar…

Quase sempre pode ser fácil – tanta coisa parecia tão difícil e depois foi se acomodando! A casa limpa sem ajuda, as crianças em casa, o companheiro/a junto…. Não foi fácil, mas pensando bem, agora não é mais tão difícil assim.

Descobrimos quem é quem – desvendamos o caráter (para o bem e para o mal) de um por um dos amigos e familiares mais próximos. E, apesar de algumas surpresas desagradáveis, tivemos outros gratos resgates – eu pelo menos tive!

Outro olhar para o companheiro/a – ainda não está dita a última palavra e relacionamentos ruins não iriam sobreviver mesmo. Mas, muitos que vivem casamentos estáveis relatam, mesmo depois de muitos anos, terem tido surpresas boas – e vínculos fortalecidos

Como disse, não fosse tanto Desgoverno e a tragédia Global da pandemia, poderia dizer que esse estranho e implacável intervalo de tempo, pode ter servido para acertar vários ponteiros internos da humanidade. Ou viajei?!




LIVE DE TUDO!

Se há um segmento/mercado que floresceu na Pandemia, o das comunicações virtuais é um deles. As Lives, que existiam discretas e segmentadas, democratizaram pra valer: todos podem ser anfitriões, entrevistar quem quiserem e, principalmente, apresentar seus talentos, projetos e conteúdo a um público que, em tese, é ilimitado.

 

Cardápio virtual – podem ser encontros musicais, culinários, zen com meditação passo a passo, médico-científicos, eróticos, intelectualizados, de humor …

Além do Instagram – rapidamente outros formatos se popularizaram: temos por zoom, facebook etc. – vale tudo, desde que a conexão esteja boa e o anfitrião não perca o timing. Pois, tão fácil quanto entrar em uma live é sair dela! Tá chato? Procura outra. É como zapear canal no controle de TV…

Ao vivo e de graça – no início eram todas gratuitas, mas, aos poucos os artistas, abandonados pela secretaria da Cultura e nunca prestigiados por esse governo, começaram a se organizar. Os grandes nomes não tiveram dificuldade em encontrar apoio e patrocínio, mas, a maioria dos artistas – de circo, de pequenos teatros, de clubes noturnos – os talentos anônimos que tecem a trama da alegria em nosso dia a dia, continuam a sofrer com a falta de bilheteria.

Chapeuzinho Virtual – é a bilheteria virtual das lives, que permite ao público pagar pelo que assiste. Quem gostou paga, e alguns artistas já colocam o sistema de pagamento em link com seu perfil para que o espectador possa remunerá-lo, nem que seja com um valor de Gorjeta.

As Vantagens:  em uma live podem entrar mais pessoas do que em alguns teatros (em média com 100 a 200 lugares) então a bilheteria, dependendo da apreciação do público, pode ser consistente. Muitos performers arrecadam pelo menos 50% do que ganhavam antes. Ainda é pouco, mas melhor do que esperar algum programa social que, se vier, será como esmola.

Vários pontos positivos – o alcance mais democrático, o conteúdo variado, a distração e o divertimento são grandes vantagens dessa profusão de encontros mas, de verdade, o que me encanta é perceber que, aos poucos, o público se organiza para prestigiar seus artistas – sejam quem forem – cada um procura e valoriza seus preferidos e há uma natural organização por parte da sociedade em um movimento solidário jamais visto!

Pagam sim – e por que não?  –  é lindo ver que contribuem como podem, mostrando que o alimento da alma é tão ou mais importante que o das prateleiras de supermercados. É a Arte, em suas múltiplas formas, mais do que nunca rompendo fronteiras, alcançando corações e conquistando seu espaço – magnífico e imortal – apesar da boçalidade reinante.




O novo normal de Restaurantes e bares – e dos clientes…

E finalmente estamos para sair da quarentena, estamos quase na fase 2 da flexibilização – espero que possamos ir para a fase 3 onde bares e restaurantes poderão abrir.

Mas será que todos entenderam que será um cenário mega diferente, onde segurança pessoal e comportamento social é o mais importante?

Hora de pagar – nada de dinheiro em nota (aliás, quem ainda paga com nota?). Prepare o cartão de débito/crédito  e as maquininhas. Os estabelecimentos que não tiverem um ambiente de pagamento sem contato serão considerados por trás da curva operações-tecnologia.

Delivery – ok, tecnicamente, o estabelecimento tem que controlar o motoboy – mas isso nem sempre acontece (infelizmente). Então cada local tem que procurar implantar alguma forma manter a comida em uma temperatura adequada até o momento da entrega – e que possa ser rastreada, protegida… Além de registrar quem pegou a comida e o tempo de retirada.

Cardápio – nem todo mundo entende e se sente a vontade com cardápios virtuais. Assim, os estabelecimentos devem procurar fornecer uma opção que o cliente não tenha medo de usar. Um cardápio plastificado – que possa ser limpo, facilmente – é uma boa escolha. Mas o ideal mesmo é, o cliente possa acessar e escolher seu pedido direto do seu smartphone. Investir nesse tipo de tecnologia é o melhor que o empreendedor pode fazer.

A nova consciência e preocupação com o contágio serão um dos principais fatores para que as tecnologias existentes sejam totalmente implementadas- e aceitas. Sim vai custar. Mas, uma vez implantado o sistema, a vantagem é real e inequívoca, revertendo em clientes esse investimento . Segurança será o critério e a prioridade.

 




O Desafio dos próximos Casamentos

ROME, ITALY – FEBRUARY 22: Earl Vittorio Palazzi Trivelli And Isabelle Adriani on February 22, 2020 in Rome, Italy. (Photo by Daniele Venturelli/Getty Images)

Já temos muitos casais que não quisera esperar e casaram em meio a quarentena comemorando de forma virtual.

Os casamentos englobam uma gama imensa de profissionais: são vestidos de noivas, acessórios, decoração, bandas, bufês, DJs, salões de beleza…

Teremos que aprender a pensar diferente. Pensar menor! O famoso menos é mais se aplica a praticamente tudo: menos convidados, ao ar livre de preferência, menos horas de festa e menos profissionais envolvidos.

Com as medidas de segurança e sanitização, quanto menor, mais seguro, melhor o controle e, claro, mais em conta – se pensar em uniformes especiais para os profissionais, máscaras, protetores de pé, túneis de descontágio…

Casamentos ao ar livre durante o dia – agora ganha mais espaço. Os casamentos noturnos vão, aos poucos, sendo substituídos pela luz natural e vem acompanhada de objetos de decoração mais leves que só agrega ao clima romântico.

Se antes o cerimonial e os espaços aderiram a ideai de misturar móveis redondos, quadrados… agora a prioridade será um mobiliário leve, que possa ser deslocado para permitir maior distância entre as pessoas. Distância essa que deve ser respeitada sem grandes agrupamentos.

Mini weddings… quase micro! – apenas com os familiares e amigos realmente (menos de 40 pessoas e até 60 é o recomendável). Mas isso não significa necessariamente que serão mais simplesinhos afinal, o luxo pode estar nos detalhes.

Bufê e Menus – as pessoas não vão a um casamento para comer. Ou não deveriam. Daí que, o formato europeu pela manhã ou fim da tarde quando se oferece um bom espumante e o bolo da noiva pode ser uma ideia mais segura do que agrupar pessoas em cima de um bufê com muitos pratos e talheres manuseados por todos…

Emily Clarke, dona de uma empresa de eventos, sugere, por exemplo, pacotes personalizados de lenços e álcool em gel com o nome dos convidados. Ao longo da festa eles poderão higienizar as mãos mais vezes e sempre que acharem necessário.

É essencial comunicar quais medidas estão sendo tomadas – e que todas são no sentido de atenção com os convidados. Porém, para cada item descartável, é preciso pensar em recipientes e pontos de coleta segura.

Simplificar o serviço torna-o mais seguro – mas nem por isso menos bonito ou apetitoso. Esse é o maior desafio: combinar emoção, glamur e segurança!




Eventos Pós COVID: Novos profissionais em formatos emergentes

O governo dos EUA divulgou diretrizes em 3 fases que dividem o retorno no documento Opening Up America Again. Nele, é essencial o distanciamento social e equipamento de proteção.

1ª: proíbe grupos maiores que dez, minimiza viagens não essenciais e prevê fechamento de áreas comuns (para empregadores)

2ª – para estados sem evidência de ressurgimento do vírus: ainda orienta que reuniões de mais de 50 pessoas devem ser evitadas e o distanciamento social precisa ser respeitado o tempo todo. Por outro lado, as viagens não essenciais podem retomar e grandes locais podem operar sob protocolos de distanciamento físico moderados.

3ª – relaxa mais as medidas de distanciamento para grandes locais, mas indica que grandes reuniões de massa provavelmente ainda não serão possíveis.

Eventos grandes sofrerão mais do que eventos menores! O tamanho será importante até 2021. Sim, pequenos eventos são o futuro imediato de nossa indústria.

Agências: contratar diferentes tipos de profissionais e os profissionais de agora podem adquirir novas habilidades e conhecimentos.

Sim, o covid-19 forçou agências, clientes e públicos-alvo a novos formatos de eventos – eventos digitais: híbrido, virtual, webinar, streaming e todas as suas variações.

Não é o fim dos eventos presenciais, mas a escalada de encontros digitais mostra vantagens claras como custo e segurança.

Aqui algumas das novas profissões e competências para a nova indústria de eventos:

Community managers:  coleta dados, analisa tendências e mantem o público-alvo o mais ativo possível em torno de um produto, empresa ou associação. Um profissional atencioso influencia o comportamento de toda uma cadeia de valor.

Analista de dados: imagine milhares de pessoas participando de uma reunião híbrida. Escolhem painéis, conversam e postam informações nas mídias sociais, avaliando os temas.

A leitura eficiente desses dados traz informações valiosas para determinar o marketing digital e conectar marcas e pessoas com muito mais eficiência.

UX Designer: já é uma realidade no setor de TI, e transforma a jornada em um movimento fluido, muito melhor para os participantes.

Entre tantos outros desafios, quem entender como transportar o glamour e a interação dos eventos presenciais para os digitais, sairá na frente e vai se sair melhor.