Tecnologia x Crianças: não entregue essa luta

E falo isso por experiência própria, observo meus afilhados e filhos de amigos. É assustador…

Academia Americana de Pediatria, em 2014, recomendou limites para o uso de tecnologias de qualquer tipo. Até os 5 anos, as crianças só deveriam ficar no máximo 1 hora diante das telas, 2 horas para crianças de 6 a 12 anos e para 3 horas a partir dos 13 anos. Acho justo… crianças dessas idades precisam brincar na rua (quintal, playground dos condomínios…) e aprender a se socializar.

 

Vejo muitos pais que não se preocupam com isso, deixando as crianças livres para usar os equipamentos da forma como quiserem.

Conversar e fazer brincadeiras em que eles participem é uma das formas para que não se tornem dependentes dessas tecnologias todas. Sei que estaremos cansados, estressados, mas eles não têm a ver com isso, então vamos nos ater a isso, ok?

Os Perigos –  diagnósticos de TDAH, autismo, distúrbios de coordenação, atrasos no desenvolvimento e fala, dificuldades de aprendizagem, transtorno do processamento sensorial, ansiedade, depressão, sobrepeso, tendinite e distúrbios do sono estão cada vez mais, associados ao uso excessivo da tecnologia. Os pequenos também estão deixando de desenvolver a empatia, instrumento fundamental para a construção de amizades e confiança.

As crianças repetem os que os adultos fazem – isso é um fato… então – e eu sei o quanto é difícil – vamos pelo menos tentar não ficar grudados na tela do celular quando estamos perto deles.

Não nego a tecnologia – amo o que ela pode nos proporcionar (conhecimento, comunicação, entre tantos outros pontos positivos) mas, como adultos,  ainda conseguimos discernir o que  é certo e errado o que faz mal as crianças e o que pode desenvolver suas potencialidades…. Nossos pequenos não conhecem os perigos da internet, principalmente, que existem pessoas más, com intenções malévolas e que pode sim, fazer mal a eles.

Então, vamos incorporar uma atitude mais alerta, menos exausta e passiva e  tomar mais  cuidado  está bem?




Startups – entenda o presente e futuro

Atualmente são vários os tipos de startup no mercado. E para você ficar bem informado sobre cada modelo de negócio, é imprescindível conhecê-los a fundo.

Lifestyle – criadas por quem deseja trabalhar com o que ama de verdade. Reforça talentos e paixões e visa realizações. E todos na empresa são indispensáveis.  Mathew Jones, um ex-surfista australiano, que virou professor de surf em tempo integral pode ser um exemplo;

PME – possuem objetivos de pequenos negócios. Seu dono não deseja crescer, apenas quer uma vida confortável para sua família. A diferença é que seu capital vem de economias próprias. Pode ser uma loja virtual, um pequeno comércio, um agente de viagens ou um cabeleireiro;

Escaláveis – mal começam e já sabem que querem… crescer! Vivem de capital de risco e empresários que não querem só trabalhar para se sustentar, mas sim despertar o interesse de grandes investidores. Os funcionários são sempre os melhores, a qualidade é fundamental e a estratégia é gerar receita. Facebook, Skype, Uber e Airbnb são alguns exemplos;

 

À Venda – feitas para atrair compradores após atingir resultados. As aplicações desses investidores geralmente são de alto risco, mas são o que fazem a diferença para a execução do projeto. Google e Facebook são alguns exemplos de sucesso;

Sociais – são as que deveriam fazer a diferença na sociedade pois  querem construir um mundo melhor. O que importa é contribuir positivamente. Os exemplos incluem instituições beneficentes ou de caridade;

Corporativas – grandes empresas que estão no mercado há muito tempo e precisam inovar constantemente. Por mais que seja tradicional, é fácil que ela acabe caindo no esquecimento, por isso cuidado!

 

E ai, o que acharam? Comentem…




Moda sustentável – como é isso?

 

De modo geral, quase um quinto das roupas acaba em um incinerador ou aterro sanitário apenas  um ano após a fabricação!

Não é à toa que a chamada “moda sustentável” está surgindo nos sites de varejo de Boohoo à Bloomingdale’s e está em expansão: o site de pesquisa de moda Lyst registrou um aumento de 47% em compradores procurando itens por meio de “algodão orgânico” e “couro vegano” no ano passado, enquanto procuram ainda por marcas de calçados sustentáveis.

Outra coisa que está chamando a atenção são as marcas de roupas de banho que usam tecido reciclado pós-consumo.

Davy J tem maiôs para nadadores selvagens e esportivos. Ruby Moon oferece “maiõs para ativistas”. Fisch é abastecido em fósforos. O que elas têm em comum? A Econyl, uma fibra de nylon reciclada que o fabricante italiano, Giulio Bonazzi, afirma ser “infinitamente reciclável”.

Como funciona?Uma média de 64.000 toneladas de redes de pesca são deixadas no oceano a cada ano, e esses foram os primeiros itens de náilon que a empresa de Bonazzi coletou para reciclagem. A empresa agora tem mais de 750 clientes de moda e “a demanda está crescendo fortemente dia a dia”, diz Bonazzi.

“As empresas mais jovens precisam liderar em sustentabilidade”, diz Shafiq Hassan, co-fundador da  Ninety Percent, que vende camisetas de algodão orgânico bem cortadas, vestidos de capuz tie-dye, saias assimétricas e roupas de lazer.

Matthew Needham acredita que a sustentabilidade “deve ser inerente ao processo de design para todos”. Ele encontra materiais de luxo antes de ir para a incineração. E vasculha mercados, as ruas e às vezes seu próprio estúdio. Depois que um carrinho de compras sem dono aparente ficou na rua por duas semanas, ele transformou-o em uma capa de chuva. Um plástico parecido com um laço encontrado em uma praia na Noruega tornou-se uma saia.  “Eu gosto da ideia de considerar o valor da criatividade. Não o valor na coisa material em si, mas o valor na criatividade. Isso é luxo”, diz ele.

Apostar e priorizar produtos recicláveis é um gesto de cuidado e carinho com a natureza e com o planeta! Vocês não acham? A maior parte da população ainda não sabe de todos os inconvenientes que envolvem a indústria da moda, por isso, é tão importante dialogar, incentivar e disseminar novas alternativas para promover a moda sustentável. Então vamos lá; pelo menos começar a procurar, perceber, encontrar, testar,  até incorporar …  e passar a fazer parte da porção mais consciente de pessoas do planeta.. Bora?




Startups – afinal o que são elas?

Sim, elas são mais usadas  para estruturar  esse tipo de empresas, por serem mais baratas e com fácil propagação do que  estruturar uma empresa de agronegócio, por exemplo.

Outras acham que qualquer empresa pequena no seu início pode ser considerada um startup  – ou as que tem custos de manutenção baixos e crescimento rápido…

Mas afinal: o que define uma startup? Já que elas são um modelo de negócios inovador, repetível, escalável e com cenários de incertezas?

Modelo de negócio – vamos deixar claro. Modelo de negócio é diferente de plano de negócio. O foco aqui não é, necessariamente, no produto e sim, no seu valor e consequentemente, na sua rentabilidade.

Repetível e escalável –  o que isso significa? Que a empresa tem que ser capaz de entregar o mesmo produto em escala potencialmente ilimitada e crescer rápido sem que isso influencie no modelo de negócios.

Cenários de incertezas – como não conseguimos saber se a ideia ou projeto vai dar certo, o caminho que empreendedor irá tomar é incerto. Uma maneira que esse tipo de empresa usa para lidar com esse cenário é usar o produto mínimo viável (MVP), pois ajuda a entender o que o cliente realmente quer se gastando o mínimo necessário.

Agora que entendemos o que é uma startup, semana que vem vamos falar dos diferentes  tipos que existem e que sim,  fazem muita diferença conforme o produto ou área de atuação…

 




Suicídio entre jovens – Podemos evitar?

Estava lendo “Os 13 Porquês”, do Jay Asher, na época em que um desses casos aconteceu.  Nele, o autor faz você pensar em sinais quase imperceptíveis de que alguém precisa de ajuda. E contribui para que o tema seja repensado como algo comum, não somente exclusivo para pessoas solitárias. Qualquer um pode querer se matar  – e isso torna o livro difícil de ser lido.

Não é um livro sobre bullying, mas sobre como a forma que tratamos as pessoas, mesmo sem perceber, as afetam. Ou sobre como encaramos as coisas que fazem conosco, como lidamos com nossos medos, nossos traumas,  dúvidas e desesperos.

Tenho 32 anos com uma cabeça mais madura do que tinha aos 18, 20 anos (ainda bem). Sou uma pessoa adulta, que cresceu e consegue enxergar situações com lógica e racionalmente.

Já os jovens não: eles só vivem e sentem. Sentem os boatos, as dificuldades de adaptações, muitas vezes não se sentem queridos, notados ou compreendidos.

Nós não somos iguais. Cada um reage a uma determinada situação do seu jeito – o que é pesado para ele pode ser  simples e superficial para você. Mas dê a importância que ele acha que merece, não menospreze!

Por exemplo, um dos meus amigos… Ele era inteligente (um dos melhores da classe), engraçado, gentil, bonito e eu o adorava. Vivia fazendo piada e não tinha como ficar triste perto dele. Foram quase quatro anos ao seu lado e um dia, nosso amigo se foi. Não vem ao caso colocar como foi… A mãe dele ligou para um de nossos amigos e disse que ele tinha deixado um carta falando que não aguentava mais as pressões do dia a dia, que estava com depressão, se sentia só e que queria pôr fim naquela dor. E ponto!  Ele tinha 24 anos…

Fiquei me perguntando por um tempo, como alguém que era a alegria em pessoa podia estar com depressão? Alguém que vivia rodeado de amigos podia se sentir sozinho? Que dor era aquela que ele sentia?

Com o tempo, fui esquecendo… até acontecer de novo. Outra pessoa próxima… só que dessa vez, estava um pouco mais atenta. Consegui ver que no final das risadas, havia aquela tristeza bem escondida. Ele já não participava das conversas – ele estava lá, mas seu pensamento realmente não estava. E seu olhar foi o que mais mudou. Não tinha mais “aquele” brilho. O olho dele era de um azul que só de olhar, você ficava hipnotizada.

Não fui a única a perceber, mas já era tarde demais, a gente falava com ele e ele meio que ignorava, tentamos por algum tempo. E nada. Até que o pior aconteceu…

As vezes eles até tentam conversar, dão indiretas – quase diretas – e seus pais nem reconhecem… “ah… a adolescência é assim mesmo, crise existencial todo santo dia…” NÃO!!! Escutem seus filhos, fiquem atentos ao seu comportamento, participem de sua vida.

Por isso repito… fiquem atentos aos seus amigos, filhos… são os pequenos detalhes que fazem a diferença. Uma conversa, um carinho, um cuidado… Isso pode salvar uma vida!!!