Você sabe ler um cardápio?

 

Psicologia do cardápio existe e é baseada em muitas e detalhadas pesquisas de mercado. Há muitas maneiras de persuadir os clientes a pedir refeições de alto lucro…

Uma pesquisa da Universidade de Bournemouth mostra que a maioria dos menus tem muito mais pratos do que as pessoas gostariam. E, claro, o marketing e pequenos truques acabam influenciando quando não, nos confundindo, entre o que parece ser o ideal naquele momento e o que queremos de fato…

Em uma pesquisa do Nescafé: perguntados sobre como gostam de tomar seu café, a maioria dos americanos diz: “um escuro, rico e saudável, torrado”. Mas na verdade, preferem café fraco e leitoso.

Charles Spence, psicólogo de Oxford tem um artigo sobre o efeito que o nome de um prato tem sobre os clientes. “Dê a ele uma etiqueta étnica, com um nome italiano, e as pessoas classificarão a comida como mais autêntica”. 

Isso vem sendo usado com um certo exagero e, claro, causando uma certa rejeição pois são clichês que acabam por cansar o cliente. Alguns restaurantes mais alinhados com a nova e mais minimalista gastronomia, deixam que os ingredientes dos pratos falem por si e, dessa forma preferem valorizar os mesmos em seus cardápios.

Outro truque, é, sem o exagero de nomes em italiano (ou outra língua evocativa) usar uma palavra apenas em outra língua no cardápio para que os clientes digam ‘o que é isso?’ Como no caso dos suppli– bolinhos de arroz – para começar uma conversa entre o cliente e garçom.

Som e atmosfera – influem e muito! Música clássica aumenta as vendas de vinhos caros e os gastos gerais em restaurantes mais sofisticados.

Aromas – música lenta e cheiro de lavanda fazem com que as pessoas passem mais tempo em restaurantes e a música pop tocada mais alta aumenta o consumo de refrigerantes.

Finalmente, fique esperto com os valores: ao colocar itens de alto lucro ao lado de outros extremamente caros, eles parecem baratos em comparação. É a forma que alguns donos de restaurantes encontraram para que você acabe por escolher um item nem tão barato assim, mas que, a seu ver, comparando com o outro muito mais caro, parece uma boa pedida…

O mesmo acontece o vinho. Nós vamos invariavelmente ir para o segundo mais barato. Que nem sempre é uma pechincha…

Ok, tudo isso são peculiaridades de um mercado altamente competitivo e estou começando a te irritar com tanto spoiler – desse jeito vou acabar por estragar seu prazer em comer fora…

Parei. Só que, de verdade, acho que sempre é bom termos mais informação, afinal, sabendo desse bastidor culinário fica mais fácil compreender nossos desejos e preferências de fato…

 

 




Café chá ou os dois? Entenda melhor suas escolhas…

Segundo pesquisadores do estudo, publicado na revista  Scientific Reports, a escolha da bebida está ligada à forma como percebemos a amargura e a nossa predisposição genética para perceber a amargura de substâncias particulares nos empurram ou para o café ou para o chá.

Esse estudo usou dois conjunto de dados: O primeiro foi um grande estudo duplo que mostrou que, pelo menos nos ancestrais europeus, variantes genéticas particulares estão ligadas à força da percepção de diferentes sabores. Uma variante específica foi associada a avaliações um pouco mais altas de amargura por cafeína, outra maior por quinino e um terceiro maior amargura por uma droga conhecida como propiltiouracil (usada para tratar o hipertiroidismo).

O segundo dado usado foi a pesquisa da UK Biobank, onde milhares de participantes (entre 37 a 73 anos) foram entrevistados sobre quantas xícaras dessas duas bebidas consumiam por dia. Também foram coletados dados genéticos.

As pessoas no estudo que tinham uma maior predisposição genética para perceber a amargura da cafeína bebiam mais café.

Os padrões reversos foram vistos quando a equipe analisou as variantes genéticas e quanto os participantes do chá bebiam. Os pesquisadores disseram que as descobertas para o chá são mais difíceis de explicar, mas podem ser em parte pesadas para os bebedores de café que tendem a ser bebedores de chá muito leve.

Embora o estudo tenha limitações, incluindo o fato de depender do auto-relato do consumo de chá e café, a equipe diz que isso pode ajudar a esclarecer qual xícara preferimos. Particularmente acredito que é possível tomar e apreciar os dois, uma vez que cada um tem um ritual próprio e pode se adequar a momentos completamente diferentes mas, sempre associados a prazer: a pausa para o café da tarde o despertar para um novo dia com uma xícara de café, uma xícara de chá bem aromático para esquentar no inverno ou mesmo antes de dormir relaxando no sofá…

E você, qual dos dois prefere?




Tradições muito loucas de casamentos pelo mundo

Em alguns países ao redor do mundo, essas tradições são variadas ou completamente inexistentes! De escandaloso ao reconfortante, aqui estão 10 tradições de casamento algumas bem estranhas…

Espanha – corte da gravata – durante a recepção do casamento, o noivo é cercado por seus padrinhos, que cortam sua gravata em pequenos pedaços e leiloada para os convidados. Acredita-se que possuir um pedaço da gravata cortada trará boa sorte. Bom, aqui no Brasil também temos isso. Alguns amam – outros detestam…

Guatemala – despedaçando o sino – após a cerimônia, todos os convidados vão até a casa do noivo, onde há um sino de cerâmica branca cheio de arroz, farinha e outros grãos pendurados na porta. Quando o casal chega, a mãe do noivo quebra a campainha, trazendo boa sorte e prosperidade aos recém-casados! Lindo mesmo, mas, quem limpa a bagunça depois?

Alemanha – serrar o tronco – depois da cerimônia de casamento, os noivos têm que usar um serrote de duas pessoas para cortar um tronco grande pela metade. Acredita-se que isso simbolize a maneira como devem trabalhar juntos no futuro. Fofo, mas haja força não?

Quênia – cuspindo na noiva – quando os recém-casados ​deixam a aldeia, o pai da noiva cospe na cabeça e no peito de sua filha, para não azarar sua boa sorte! Urgh, nojento! E será que funciona?

Japão – cerimônia de saquê – os noivos tomam três goles de três xícaras de saquê, seguid0s pelos pais – esse gesto simboliza o fato de estarem unindo as famílias.

País de Gales – rapto de noiva – um jogo simulado de rapto é jogado antes da cerimônia. Alguém irá sequestrar a noiva e levá-la ao pub antes do casamento. O noivo deve encontrá-los. Esse eu achei divertido mas tem muita noiva que não toparia isso por aqui.

Coreia – ganso para uma noiva – os noivos devem dar à sua sogra um ganso selvagem ou pato. Estes animais monogâmicos representam as intenções puras e a lealdade do noivo.

República Checa – fertilidade melhorada – antes das cerimônias, uma criança é colocada na cama do casal para abençoar e melhorar sua fertilidade. Uma vez casados, os convidados jogam sal, arroz, ervilhas ou lentilhas no casal para também promover a fertilidade.

China – obstáculos à noiva – as damas de honra dão ao noivo um dia difícil de casamento. Ele tem que provar que é digno, através de uma série de desafios. Depois disso, ele deve pagar as damas de honra com envelopes cheios de dinheiro! Quero ser uma daminha…

México – o laço – Uma vez que o casal tenha prometido seus votos, os convidados irão amarrá-los junto com uma corda especial. A corda é amarrada em forma de figura oito (infinito) para simbolizar a unidade duradoura do casal.

Pois é: existem tradições e tradições, mas uma coisa que não muda em nenhuma delas: a união de duas pessoas apaixonadas. Viva o amor!!! E  aí qual delas você adotaria?




Você arruma sua cama quando está num Hotel?

Você sabia  que Lorde Patten relatou que  a ex-primeira ministra do Reino Unido, Margaret Thatcher, a Dama de Ferro, sempre fez a cama dela quando viajava? Pois é: Chris Patten, o último governador de Hong Kong, revelou recentemente que Thatcher foi a única convidada a fazer sua cama durante visitas diplomáticas à antiga colônia britânica. Sendo que havia pessoas especializadas para isso.

A messy and confused hotel room

Mas, calma aí… Então, todos nós devemos nos esforçar para ser um pouco mais como Thatcher quando viajamos?

Não de acordo com a antiga camareira. “Eu não acho que os hóspedes precisem fazer a cama. Quando você está pagando para ficar em um hotel, uma cama recém-feita faz parte da experiência.”

Segundo Michelle Devlin, gerente geral do hotel cinco estrelas Egerton House, em Knightsbridge, Londres, apenas cerca de 5% dos hóspedes fazem sua própria cama. Não é algo que a limpeza tende a esperar, e uma cama malfeita pode ser mais um obstáculo do que ajuda. Já que o quarto e principalmente a cama é arrumada de acordo com o padrão do hotel e os hóspedes não o fazem.

O que podemos fazer se quisermos ajudar sem atrapalhar são coisas simples, como essas, por exemplo:

  • Tirar a roupa de cama no nosso último dia de estadia;
  • Jogar lixo no cesto de lixo
  • Não deixar roupas e objetos espalhados;
  • Seguir com as normas estabelecidas

Levar shampoos e condicionadores também não parece ser problema para os gerentes de hotéis. Um estudo de etiqueta do hotel Expedia de 2016 revelou que 24% dos hóspedes do hotel dos EUA admitiram “acumular” produtos de higiene pessoal para levar para casa.

E agora, qual tipo de hóspede você é?




O que ser elegante?

Se você deseja mais elegância em sua vida, veja como as pessoas pessoas elegantes lidam como determinados aspectos do dia a dia e tente incorporar aqueles com os quais você mais se identifica. Não existe uma fórmula certa para se tornar elegante mas, isso certamente pode te ajudar a aumentar sua alegria, produtividade e sucesso, claro.

Redes sociais – se você gasta grande parte do seu dia nas mídias sociais, pense em como você pode usar melhor o seu tempo. Limite-o agendando – e respeitando  a agenda – para usar  mídias sociais em geral.

Sem obsessão – não  importa o que os outros estão fazendo. Concentre-se em criar e  desfrutar e suas coisas. A maioria das pessoas fica obcecada com as ações dos outros porque tem medo de perder OU por inveja. Não caia nessa!

Cuide somente da sua vida – o foco está em aparecer como a melhor versão de si mesmo – e isso ajuda a melhorar no dia a dia – permitindo que as pessoas sejam quem são.

Não controle tudo – olhe apenas para aquilo no  que tem controle e concentre sua atenção lá. Além disso, a maioria das coisas com que nos preocupamos nunca acontecem.

Passado é passado – e não define ninguém. Aprenda e cresça com suas experiências – isso sim ajuda a definir o que  faz agora e o que  não quer para sua vida.

Sem ostentação –  não superestime as roupas de grife pois o rótulo não te define; mas a forma como você se faz  sua presença, sim.

Diga não – sem medo!   Concentre-se nas poucas coisas que elevarão a sua  qualidade de sua vida.

Espaço para respirar  edite sua vida- faça limpezas, arrume, reveja tanto conceitos quanto ideias – e deixe de lado as coisas que não se encaixam.

Disciplina no dia a dia – cria um plano para o dia. Influências externas não a afastam do que ela declarou importante para sua vida. Claro, há exceções, como crianças doentes ou emergências, mas ela sabe que poucas coisas superam o que ela considera importante.

Sem perfeição – a verdadeira elegância é uma pessoa que abraça todas as partes de si mesma – o bom, o mau e o feio. Abrace seus lados escuros e falhas e entenda-os. Aceite todas as suas partes  e ficará mais tão confortável  sentindo-se em bem tanto em casa  quanto no mundo.

Gratidão e apreciaçãoum coração agradecido torna  melhor a  vida e  atrai o melhor – tanto de pessoas quanto acontecimentos!

Será que  ficou mais fácil entender a essência dessa qualidade tão delicada -me cada vez mais rara? Bora tentar?