Como fazer quando não bate o santo…

Sim, “não ir com a cara” de outra pessoa  acontece e com mais frequência do que gostaríamos. E pode atrapalhar no trabalho e na vida emocional e social.

Porque existem certas pessoas causam uma imediata rejeição, embora nunca a tenhamos visto no vida e a  simples aparição dessa pessoa gera um sentimento de repulsa que não somos capazes de entender mas incomodam e muito!.

Segundo José Manuel Sánchez Sanz, diretor do Centro de Estudos de Coaching de Madri (Espanha), essa “flechada” negativa funciona como “um mecanismo de sobrevivência que nos põe em alerta diante de circunstâncias que nosso cérebro tem catalogadas como perigosas ou ameaçadoras”. Portanto é preciso prestar atenção e não descartar imediatamente a repulsa e tentar enxergar além pois a reação, quando não queremos essa pessoa por perto, é  como se estivéssemos evitando um dano físico ou psicológico posterior.

Mas… como alguém sobre quem não temos nenhuma informação pode ser uma ameaça? Para Sánchez Sanz, trata-se de sinais que a outra pessoa emite e evocam em nós lembranças de experiências ou de outras pessoas desagradáveis com as quais tivemos contato em outro momento de nossas vidas.

Outro elemento que se deve levar em conta é se a pessoa “combina” ou não com o ambiente. Não no sentido decorativo, mas contextual: uma imagem que destoe da que estamos esperando em uma determinada situação pode causar rejeição por violar uma norma implícita.

Pense nisso quando acontecer com você…  analises antes em qual das situações de rejeição a pessoa se encaixa: se é algo desagradável do passado, alguém parecido no presente, ou mesmo a surpresa por não ser o que você esperava. Dessa maneira, é mais fácil, se for o caso, tentar entender a pessoa e – porque não –  reverter a situando para algo mais positivo..




Traje: Startup Casual – entenda a diferença…

 

O que é o Startup Casual? – é um traje de trabalho ainda menos formal do que casual de negócios. As roupas são modernas, coloridas e confortáveis ​​ao mesmo tempo. Devem refletir a vibração do escritório, que geralmente é jovem e enérgica, mas prática. Em outras palavras, jeans são roupas padrão.

Quando se trata de roupas típicas do dia de trabalho casual, jeans e cáqui são predominantes. Geralmente, os jeans mais escuros são mais usados do que  aqueles com lavagens mais leves ou jeans rasgados. Lembre-se de estar confortável, mas não desleixado.

Blusas simples são uma boa escolha para as mulheres, e proporcionam uma aparência casual, porém elegante. As gravatas são opcionais (embora cada vez mais raras) para os homens.

Uma dica bem legal é, colocar um blazer com jeans. Ele acrescenta o toque  de sofisticação e ainda é casual o suficiente para um longo dia.

O calçado inclui mocassins para homens e saltos médios e mais grossos  para mulheres – deve ser confortável o suficiente para quando você estiver de pé o dia todo – e ainda elegante. E, sim, chinelos são proibidos.

A ideia é estar bem vestido e pensar um pouco na sua roupa, mas não parecer armarinho demais.

E em uma entrevista para Start UP? – se quer causar uma boa impressão, é bom  procurar roupas mais casuais  mas ainda assim com bom caimento e bem acabadas. O que muda é a fluidez: paletós podem ser menos estruturados e as roupas femininas cada vez mais levinhos e/ou desconstruídas.

Os homens devem usar calça social ou calça cáqui de bom caimento com uma camisa de mangas compridas ou uma camisa de malha com gola. Sapatos de couro e cintos são boas apostas, e gravatas e blazer são opcionais.

As mulheres podem optar por calças ou saias em algodão ou caqui. Suéteres funcionam bem, e cardigãs dão um toque mais formal. As cores sólidas são uma excelente opção em relação aos padrões muito ocupados ou coloridos. E pode usar sapatilhas elegantes sem nenhum prejuízo ou mesmo sandálias mais baixas desde que com os tornozelos seguros por tiras: nada de chinelinhos ou males ta?

Vantagem: se você conseguir um emprego em uma empresa iniciante, considere-se com sorte por não ter que investir em um guarda-roupa de negócios. Quando suas roupas de trabalho são confortáveis, polidas e em cores unidas e harmoniosas entre si, já pode se concentrar no que é mais importante, que é seu  novo trabalho.

 




Como fazer para descobrir as Profissões do futuro!

Carreiras ligadas à inovação, sustentabilidade, lazer, saúde, meio ambiente, tecnologia e marketing são as profissões do futuro.

A demanda por profissionais qualificados cresce muito e é preciso estar preparado para o que vem por aí. De repente você já é um profissional do futuro e nem sabia disso…

Detetive de dados – precisará conhecer finanças, matemática e data science – embora  ser um cientista de dados não é necessário. Conhecimentos legais serão uma vantagem.

Facilitador de TI – a função é explorar tendências digitais e criar uma plataforma self-service automatizada para que usuários construam seus próprios ambientes colaborativos. Precisará ser formado em em TI, ciências da computação, engenharia, ciências naturais ou administração de empresas.

Conselheiro de compromisso de saúde – trabalhará remotamente para oferecer coaching individual e conselhos de bem-estar e saúde para usuários de pulseiras inteligentes, que monitoram suas atividades e sinais físicos. Precisará ter experiência com nutrição ou educação física (modalidades esportivas como CrossFit) ou curso de yoga. Entre outras habilidades…

Gerente de equipe humanos-máquinas –  esse é um mix de RH com Professor Pardal: vai desenvolver um sistema de interação para que seres humanos e máquinas “conversem melhor”. Teria que ter formação em psicologia ou neurociência e qualificação posterior em ciência da computação, engenharia ou recursos humanos.

Guia de loja virtual – atendimento ao cliente de maneira instantânea e virtual.  Pode ser melhor? Há quem prefira o presencial mas na hora do aperto…O trabalho é remoto e utiliza realidade aumentada. O candidato precisa ter experiência com vendas, boas habilidades de comunicação, e um bom ambiente de trabalho remoto.

 

 

 




Como fazer para não invadir o espaço alheio

Se você tem intimidade com alguém não há problema em se aproximar – até porquê a pessoa pode se afastar, se quiser – e tem liberdade para isso. Mas, mesmo para amigos ou colegas mais íntimos, em situações normais, a distância recomendável é não mais perto do 60 centímetros. Experimente e verá que nem é tanto assim…

Já, em uma situação pessoal com colegas, conhecidos e gente com quem estamos mantendo uma conversa – seja ela formal ou informal, a distância de 1.20mts é reconhecida no mundo todo como confortável. Essas medidas foram pesquisadas em vários estudos internacionais, pelo cerimonialista Mario Ameni, assim como a ilustração para facilitar .

Finalmente, o espaço de 3 metros é aquela distância que, num mundo ideal, mantemos de pessoas que não conhecemos e nem precisamos e/ou desejamos manter qualquer tipo de contato. É claro que em grandes centros esse espaço, nas ruas movimentadas e em empresas, em locais mais apinhados nem sempre é mantido. Mas é o que se considera ideal sem que se invada o espaço “pessoal ” do outro. E também não vale para festas, baladas, etc. Mas repare como em restaurantes, quando há menos espaço do que isso, sentimos que estamos participando da refeição da mesa ao lado…

É importante lembrar disso justamente porque em uma era em que todos trabalhamos em espaços comuns e abertos, muitas vezes não fica fácil atentar para isso. E o resultado é a sensação de falta de privacidade e invasão do outro. Pense nisso. Afinal, para chegar perto, há sempre tempo e é mais simples do que desfazer uma sensação desagradável de imposição de presença. Ou não?




Sem medo de errar no trabalho

Em muitas situações, você pode corrigir o erro ou simplesmente esquecê-lo e seguir em frente. Um erro no local de trabalho, no entanto, pode ser mais sério.

Em muitas situações, você pode corrigir o erro ou simplesmente esquecê-lo e seguir em frente (o que eu não acho muito inteligente de se fazer), pois, cedo ou tarde, o erro chegará até você.

Lembre-se: ao cometer um erro, sua carreira pode depender do que você faz em seguida.

Comece admitindo o erro – não tente esconder. Contar ao seu superior sobre isso, de forma aberta demonstra profissionalismo.

Apresente um plano para corrigir o erro – chegue a uma solução (ou alternativas) antes de ir ao seu chefe. Diga a ele quanto tempo vai demorar para implementar a correção e se existem quaisquer custos envolvidos. A resolução de problemas é uma habilidade de trabalho muito importante.

Não culpe ninguém – cada um da equipe é responsável por seus fracassos e sucesso. O bom seria que se houve algum erro em um projeto, todos fossem falar com o chefe, mas isso pode não acontecer. Assuma a sua parcela de culpa e não comente sobre ninguém!

Não fique remoendo o erro – não esqueça: há uma grande diferença entre assumir o erro e ficar remoendo o erro. E esse último não é saudável. Se concentre em suas ações depois que você cometeu o erro, e não sobre o fato de que isso aconteceu.