O Desafio dos próximos Casamentos

ROME, ITALY – FEBRUARY 22: Earl Vittorio Palazzi Trivelli And Isabelle Adriani on February 22, 2020 in Rome, Italy. (Photo by Daniele Venturelli/Getty Images)

Já temos muitos casais que não quisera esperar e casaram em meio a quarentena comemorando de forma virtual.

Os casamentos englobam uma gama imensa de profissionais: são vestidos de noivas, acessórios, decoração, bandas, bufês, DJs, salões de beleza…

Teremos que aprender a pensar diferente. Pensar menor! O famoso menos é mais se aplica a praticamente tudo: menos convidados, ao ar livre de preferência, menos horas de festa e menos profissionais envolvidos.

Com as medidas de segurança e sanitização, quanto menor, mais seguro, melhor o controle e, claro, mais em conta – se pensar em uniformes especiais para os profissionais, máscaras, protetores de pé, túneis de descontágio…

Casamentos ao ar livre durante o dia – agora ganha mais espaço. Os casamentos noturnos vão, aos poucos, sendo substituídos pela luz natural e vem acompanhada de objetos de decoração mais leves que só agrega ao clima romântico.

Se antes o cerimonial e os espaços aderiram a ideai de misturar móveis redondos, quadrados… agora a prioridade será um mobiliário leve, que possa ser deslocado para permitir maior distância entre as pessoas. Distância essa que deve ser respeitada sem grandes agrupamentos.

Mini weddings… quase micro! – apenas com os familiares e amigos realmente (menos de 40 pessoas e até 60 é o recomendável). Mas isso não significa necessariamente que serão mais simplesinhos afinal, o luxo pode estar nos detalhes.

Bufê e Menus – as pessoas não vão a um casamento para comer. Ou não deveriam. Daí que, o formato europeu pela manhã ou fim da tarde quando se oferece um bom espumante e o bolo da noiva pode ser uma ideia mais segura do que agrupar pessoas em cima de um bufê com muitos pratos e talheres manuseados por todos…

Emily Clarke, dona de uma empresa de eventos, sugere, por exemplo, pacotes personalizados de lenços e álcool em gel com o nome dos convidados. Ao longo da festa eles poderão higienizar as mãos mais vezes e sempre que acharem necessário.

É essencial comunicar quais medidas estão sendo tomadas – e que todas são no sentido de atenção com os convidados. Porém, para cada item descartável, é preciso pensar em recipientes e pontos de coleta segura.

Simplificar o serviço torna-o mais seguro – mas nem por isso menos bonito ou apetitoso. Esse é o maior desafio: combinar emoção, glamur e segurança!




Smoking ou Tuxedo? Entenda a história e os detalhes!

Só poderia ser invenção de algum inglês: quem nos apresentou essa peça foi o príncipe Eduardo VII, da Inglaterra como uma alternativa ao casaco formal. A “Jaqueta de jantar”, como ficou conhecida na época, era algo que o príncipe podia usar na sala de jantar e nos ambientes informais.

A princípio, a “jaqueta” era preta, com gola xale (corte arredondado) e acompanhava acessórios brancos.

Século XX – provavelmente a jaqueta de jantar veio para a América através do Sr. James Brown Potter e sua esposa Cor: depois que estiveram na Grã Bretanha e foram apresentados ao príncipe Eduardo VII, ele o  usou no Autumn Ball (em um clube de campo privado em Tuxedo Park, Nova York). A forma como ele se espalhou pelo restante do país é um grande mistério e cheio de folclore. A jaqueta já tinha crescido e era aceitável em reuniões formais. Agora ele se mostrava com acessórios pretos e com lapela pontuda.

Durante a I Guerra Mundial, o smoking teve uma queda em seu uso, mas na década de 30, ele voltou com tudo. Era um importante traje de noite – inclusive com  gravata branca, usado sempre em eventos especiais.

A variante – depois de ir do preto para o azul meia noite, agora a jaqueta de smoking branca (com calça preta) tornou-se uma alternativa ok…

Anos 40 – o smoking se tornou uma raridade, como se fosse a exceção em vez da regra. Os homens usavam ternos em vez de smoking quando saíam à noite.

Anos 50 –  ele está de volta e com algumas mudanças. Tecidos de poliéster, padrões e designs de camisa mais complexos (incluindo os primeiros babados) e uma jaqueta mais curta e mais justa.

Sumiu o laço branco (John F. Kennedy foi o último presidente a usar gravata branca em um baile de inauguração) e o preto era moda nas estreias de filmes, eventos da alta sociedade e até casamentos.

Cores variadas começaram a aparecer no black-tie nessa época, porém pouquíssimas pessoas aderiram a “moda”.

Paramos por aqui neste post. Gostaram? Tem mais um pouco dessa história,  que continuamos em breve mostrando os contemporâneos!




Tendências 2020: Casamentos: mudanças nos detalhes fazem diferença

Cada ano que que entra, surgem novas tendências para casamentos de todos os tipos e gostos. Vestido de noivas, acessórios, decoração…  e, por envolver a todos,  a decoração hoje é  como um cenário, onde a comida, banda e convidados interagem e convivem para fazer a festa acontecer!

Detalhes em tons pastéis – de acordo com o Instituto de Cor Pantone, a tonalidade para o ano é Classic Blue, mas para os casais que desejam ater-se às tonalidades pastéis. Menta, rosa seco e amarelo, que podem estar nos pratos, nos cardápios ou nas lembrancinhas.

Ilhas gastronômicas divertidas – um dos itens mais adorados pelos convidados. O interessante é investir em em sabores que não são tão comuns no dia a dia, como donuts, cervejas artesanais, macarons…

Menus despojados e em formatos diferentes – os menus estão abertos às mais autênticas propostas, e quanto mais despojada for a disposição dos cardápios, melhor ainda. Já imaginou ter que montar um quebra-cabeça ou “brincar” com outro joguinho para encontrar os pratos que serão servidos pelo buffet?

Celebrações eco-friendly – faz tempo que pensar de forma sustentável e ter hábitos “verde” é tendência mundial e finalmente isso chegou aos casamentos. Podemos sim ter uma celebração responsável, reciclável e ecológica.

Casamentos ao ar livre durante o dia – sim, esse estilo já acontecia antes, mas agora ganha mais espaço. OS casamentos noturnos vão, aos poucos, sendo substituídos pela luz natural, que vem acompanhada de objetos de decoração mais leves, uma identidade visual que toca a estética boho chic e tudo que uma celebração iluminada pelo sol pode oferecer.

Mix de mesas se antes o cerimonial e os espaços prezavam por uma uniformidade, agora a tendência é misturar móveis redondos, quadrados ou retangulares, e até a decoração dessas mesas do casamento podem ser distintas.

Mini weddings… quase micro! – apenas com os familiares e amigos realmente (menos de 40 pessoas). Mas isso não significa necessariamente que serão mais “baratos”, afinal, o luxo pode estar nos detalhes.

Rituais diferentes –  se são um casal que gosta de preservar um lado espiritual místico, que tal pesquisar outros ritos para o dia? Que tal rituais alternativos ou podem também acrescentar pequenos rituais dentro da sua própria cerimônia.

São muitos os estilos, né? Mas o principal é que os noivos se sintam à vontade com todas as escolhas que fizerem. Afinal o dia é deles




Casar com fogos – fria ou moda boa?

Um casal de noivos a beira de um lago se beija e ao fundo ve-se um castelo, e, em primeiro plano, a palavra "Love"escrita com fogos de artifício e em letra cursiva e rococó.

Aí, junto com o arroz da prosperidade, assim que a noiva sai da igreja, está armada uma explosão multicolorida nas alturas com fogos de artifício, em um espetáculo pra ninguém botar defeito.

Hoje, esse é um dos momentos preferidos do pai da noiva, que não mede esforços para pagar esse momento – que, aliás não custa pouco.

Hello!!! Fujam meninas, nem pensem em aderir a esse mico. Fria total, sabe por quê? Imagine a cena: a noiva linda, depois de meses de planejamento e produção, caminha lentamente pela nave da Igreja saboreando o momento.

Já fora do templo, em vez de ser admirada por todos que lá estarão, ela simplesmente para e faz carinha de ovo – enquanto a multidão de amigos passa vááaaaaarios minutos olhando para cima apreciando o espetáculo luminoso e colorido.

Quando acaba, a pobre noiva já era. Foco totalmente perdido. E em nome de que mesmo?

Noivas,  sejam espertas: economizem essa e, se alguém insistir, digam que esse tipo de espetáculo é mais adequado para Reveillon ou, no limite, para programar para o final da festa – jamais, no começo dela tá?




Mini Weddings – e se o casamento for só no cartório?

arranjo+mini+wedding_claudiamatarazzo

Para o Cartório: não é necessário convite e comparecem apenas os padrinhos e familiares diretos: pais e irmãos.

Para o almoço ou jantar íntimo – se quiser fazer um convite impresso certamente os convidados – ainda que poucos e íntimos – vão se sentir prestigiados. Não é obrigatório, mas marcar um momento importante com um convite físico faz diferença. Como são poucos dá pra fazer um convite bonito em nem precisa ser em gráfica – essas de Shoppings fazem coisas lindas em pouca quantidade!
Presente para padrinhos  – isso é invenção da indústria do casamento. Os padrinhos é que devem presentear e não o contrário.
Cartão de Participação – precisa? Sim. Mande um cartão de participação para todos os amigos que não foram convidados, mais ou menos assim:
 Fulano e Fulana participam  o seu casamento o ocorrido em
 (cidade ) no dia tal de tal( data )
e oferecem a sua nova residência a rua ( endereço)
 
Um cartão  bonito que pode ser confeccionado na mesma ocasião do convite.
Lembrancinha sim não? –  como são poucos pode ser um toque legal: mas nada complicado: uma caixinha de quatro bem casados ou bolo de rolo quadradinho ou mesmo os docinhos do almoço. Nada mais que isso…