NADA A COMEMORAR: CONTINUEMOS A RESISTIR

O dia 8 de março é considerado feriado nacional em vários países, onde as vendas nas floriculturas se multiplicam nos dias que antecedem a data, já que homens costumam presentear as mulheres com flores na ocasião.

Mas o dia 8 de março é dia de reivindicações e protestos em vários lugares do mundo. Um dia que não foi criado para o comércio, como várias datas comemorativas.

É muito comum  (e está correto) relacioná-la ao incêndio ocorrido em Nova York no dia 25 de março de 1911 na Triangle Shirtwaist Company, quando 146 trabalhadores morreram, sendo 125 mulheres e 21 homens. O que finalmente  trouxe à tona as más condições enfrentadas por mulheres na Revolução Industrial.

Nos Estados Unidos, o mês de março é um mês histórico de marchas das mulheres. Em 26 de fevereiro de 1909, em Nova York, mais  de 15 mil mulheres marcharam nas ruas da cidade por melhores condições de trabalho – na época, as jornadas chegavam a 16h por dia, seis dias por semana e, muitas vezes o domingo também.  Praticamente trabalho escravo …

O impacto dessas primeiras marchas perdura até hoje: tanto que, até o presente momento, na China, as mulheres chegam a ter metade do dia de folga, por recomendação do governo (embora nem todas as empresas sigam isso). Mas era de se esperar num país onde o trabalho é prioridade absoluta.

O Dia Internacional da Mulher não é, e nunca foi um dia voltado simplesmente a homenagens triviais às mulheres, mas é sim  um convite à reflexão: pensar em como a sociedade trata as mulheres tanto no campo do convívio afetivo, familiar e social quanto para as questões relacionadas ao mercado de trabalho.

Não temos o que comemorar, longe disso: a  mulher ainda sofre discriminação, preconceito, desvalorização profissional, violência física e psicológica, assédio, entre outras injustiças. E como se fosse pouco, o feminicídio no Brasil aumentou em nada menos que 7 %. Previsível, em tempos de governantes  que  agridem verbalmente com palavras baixas e abusivas as mulheres. E com um Presidente que aprova e repete piadas de mau gosto incitando a violência de forma geral.

Comemorar nada: combater e Resistir.  Contra o silenciamento que normaliza a desigualdade e as violências sofridas pelas mulheres. Apenas mais um dia – como todos os outros – em que é necessário repensar atitudes para construir uma sociedade mais justa – para todos.

 




E se houverem mais negócios lucrativos em 2020?

Imagem de muitos pacotes de dólares com a tarjas dos maços

 

Uma alternativa é criar negócios que encontrem caminhos para atender às demandas inexploradas do mercado. Ou, pelo menos, inusitadas. Aqui alguns exemplos de nichos que vem crescendo e que seriam impensáveis anos atrás.

Alimentação saudável e gourmet – esses setores continuam crescendo e merecem destaque. Segundo a Euromonitor, o setor de alimentos e bebidas saudáveis cresceu 12,3% ao ano nos últimos cinco anos. Inove com os alimentos “gourmetizados” ou em alimentos orgânicos, diet/light e recentes versões sem glúten e lactose.

Mercado pet – de acordo com dados do Instituto Pet Brasil, em o Brasil faturou R$ 36,2 bilhões neste setor – pet shops, lojas especializadas, clínicas veterinárias, marcas de produtos e alimentos para animais.

Um dos segmentos em ascensão é o de pet food (afinal se a comida gourmet cresce porque não o gourmet pet food)? Pois ele traz tendências como alimentação natural e caseira para cães e gatos. E, claro faz muito sucesso entre os amantes dos bichos mais ligados em nutrição mais saudável.

Construtechs – está cada vez mais crescendo nas startups, por conta do retorno dos investimentos no mercado imobiliário, infraestrutura e obras domésticas.

Inteligência artificial – nem precisa explicar que o mercado de software na nuvem e IA é o futuro da tecnologia. Simples assim!

Economia compartilhada – compartilhamento de bens e serviços e, geralmente, da internet, também. Essas empresas possuem uma estrutura diferente. A grande oportunidade é diversificar o setor, como o que começou com o compartilhamento de caronas e hoje já conta com aplicativos voltados a serviços de cuidados de animais, aluguel de bicicletas entre outros serviços…

Na verdade, para que se enxerguem esses nichos não basta apenas ter coragem e/ou dinheiro para investir. A condição – mais que especial e essencial para que uma dessas ideias se torne um bom negócio – é investir em tempo para se permitir sonhar. É isso aí.  É preciso antes ter o tempo e a mente limpa para pensar em algo diferente, permitir-se a pergunta ” e se?” e ir adiante para imaginar a resposta. E os detalhes, desenvolvendo um raciocínio lúdico.

O que acontece é que, com a crise as pessoas ficam pessimistas e cautelosas. Cautela é bom mas não pode ser uma trava. Pense nisso, olhe mais em volta, procure os nichos e as demandas. E permita-se sempre um ” e se”?  Afinal, vai que…




Como fazer para melhorar a comunicação no trabalho

A maioria dos problemas de comunicação ocorre porque as pessoas, em geral, não se percebem…

Algumas não percebem, por exemplo, que têm vícios de linguagem: que falam fazendo gestos demais ou sem fazer gesto algum e que, isso pode  acabar se transformando em ruído.

Se observe e observe os outros – tente prestar atenção na forma como fala e também na sua comunicação corporal. Fique atento aos seus colegas – no que chama a sua atenção, na forma como falam e também o que acaba causando irritação ou desinteresse.

Vícios de linguagem – CUIDADO!!! Sabe aquelas pessoas que têm mania de repetir ‘tipo’ (ou ‘mano’) a toda hora? Então. Essa repetição pode distrair (ou irritar) a pessoa, que pode prestar atenção demais no vício de linguagem e acabar se distraindo do conteúdo.

Reações dos colegas – observe se eles parecem interessados e estão de fato compreendendo o que você diz. Se perceber qualquer problema, mude o discurso, tente chamar a atenção de outra forma.

Olho nos olhos – olhar diretamente para a pessoa que está falando gera empatia e facilita o entendimento.

Palavras – usar palavras que ninguém conhece ou palavras difíceis não o torna mais culto, e sim, arrogante.  Sem falar que cria uma barreira. Uma linguagem simples e correta é sempre adequada e não demonstra falta de cultura, como muita gente pensa.

Pensando (e aplicando sempre) pelo menos parte dessas dicas, você estará incorporando uma atitude mais positiva e , pode reparar como sua comunicação vai melhorar muito!




5 habilidades fundamentais para o mercado de trabalho

Businesspeople discussing in office

É impossível negar que as constantes evoluções tecnológicas, organizacionais e de mercado têm provocado mudanças rápidas e profundas no mercado de trabalho. Isso está acontecendo em todo lugar do mundo – não apenas no mercado de trabalho brasileiro.

Abaixo alguns dos requisitos o que o empresário está buscando em seus funcionários:

Creative Office.

Desenvoltura com  tecnologia e linguagem virtual – estar antenado com as novas tecnologias da área em que se atua e do contexto em que são aplicadas é obrigatório para os profissionais do futuro.

Pensamento crítico –  usar a lógica para identificar os vários aspectos de um problema e encontrar soluções que vão além das práticas óbvias.

Gestão de pessoas – independente se é líder ou não, a capacidade de trabalhar em equipe, motivar os companheiros e estimular o diálogo para encontrar soluções criativas e solucionar problemas é indispensável.

Emocional equilibrado – com objetivo de construir relações de trabalho mais harmoniosas e tomar decisões conscientes, o profissional tem que saber identificar, compreender e gerenciar tanto as suas emoções quando a de seus colegas.

Flexibilidade cognitiva –  é a capacidade de criar ou usar diferentes conjunto de regras para combinar ou agrupar as coisas de diferentes maneiras. Onde mais se usa isso, são nos setores de bens de consumo, serviços e tecnologia da informação.

Pois é: quem disse que é fácil? O Inglês, antes considerado uma vantagem, já é obrigatório isso quando não se pede uma segunda língua  – sempre em nível avançado, claro…




Como fazer para criar filhos com sentimentos positivos!

Em um mundo cada vez mais competitivo é importantíssimo que as crianças entendam e saibam lidar  com todo tipo de emoção.  E o desafio começa em casa, com o comprometimento dos pais/responsáveis.  Cabe a eles ensinar nossas crianças a administrar suas emoções- ruins e claro também as boas.  Não se pode delegar a tarefa às escolas nem acreditar que os professores resolverão esse assunto tão importante para  toda a vida!

Preste atenção nos assuntos que fala com mais frequência – que nossas conversas nos definem já sabemos de modo que, se estivermos sempre reclamando do trabalho ou da situação do país, criaremos um ambiente de tensão e de preocupação que as crianças terão dificuldade de superar. A interpretação do mundo que elas fazem depende de como nós a mostramos. Se precisamos falar sobre um problema, ou falamos sobre o que faremos para resolvemos ou a lição que aprendemos. Ficar ancorado na queixa nos esvazia… e esvazia aqueles que nos rodeiam.

Seja rápido em pedir perdão – ser pais ou ser responsável por uma criança é uma tarefa difícil que muitas vezes nos desperta um sentimento de culpa. Temos dias ruins e nos sentimos mal porque não chegamos a tempo de ajudar nossos pequenos na lição de casa ou simplesmente, para brincar. Nesses casos, vale a pena pedir desculpas. Se queremos que eles nos peçam desculpas quando estão errados, temos de dar exemplo e guardar nosso orgulho em uma gaveta. Dessa forma, fazemos com que eles vivam o erro de uma maneira mais tranquila. e com

Fale sobre as realizações e o esforço – é legal parabenizar as crianças com sinceridade, mesmo que seja pelo desenho que fizeram na escola, um “bolo” de massinha… O reconhecimento deve ser sobre os resultados e o esforço, pois nem sempre eles conseguirão fazer o que querem. Quando as coisas não saem bem para eles é recomendável ajudá-los a usar a palavra “ainda”. Dessa forma conseguimos que treinem a mentalidade de crescimento e as emoções positivas.

Os três agradecimentos do dia – ensine os pequenos a agradeceram, mesmo que do jeito deles, antes de dormir. Três coisas de bom que aconteceram durante aquele dia. E, três é o mínimo…. e com o tempo vai perceber que sempre pode ser mais – pode conferir!?  Pois é: se esse exercício funciona para nos deixar mais otimistas imagine para as crianças…

Meus pais usavam isso comigo e com meu irmão, durante um tempo, eu esqueci (acontece às vezes), mas logo voltei. O interessante também é ensiná-los a sempre ver o lado cheio do copo. Aconteceu uma coisa ruim? Ok… mas olha quanta coisa legal também aconteceu. Pelo menos é assim que eu faço com as crianças da família.

E você, como ensina sentimentos/reações positivas em casa?