Em momento de Pandemia, as dicas do país mais feliz do Mundo

Hygge-summer_hygge

Hygge,  é um conceito dinamarquês sem tradução – seria um mix  de bem-estar, conforto e relaxamento com liberdade. De modo que, seja quem for o vencedor  (e nosso grau de satisfação nunca é demais) conhecer formas de conseguir melhorar nosso dia a dia – com mínimos gestos e atitudes. Você não precisa adotar tudo, mas abaixo estão pequenos conselhos dados pelos dinamarqueses que garantem que adianta…

O segredo é a interação, pois tem a ver com compartilhar momentos de diversão e pequenas coisas que nos fazem felizes. Estas são as dicas em 10 passos para essa felicidade:

1- Procurar o momento

Consiste em dedicar um tempo diário para fazer o que nos faz sentir bem, com as pessoas que amamos e com nós mesmos.

hygge-living-room

2- Abrir a casa

O hygge pode acontecer em qualquer lugar: churrasco ao ar livre no verão, um passeio pelo parque, um aperitivo, um jantar num restaurante pode ser hyggelig. E, claro, vale também abrir as portas da sua casa. Quando acabar  o distanciamento ou pelo menos flexibilizar mais, dá para pensar nisso com carinho e segurança!

3- Criar um ambiente propício

A iluminação tem que ser acolhedora (com ou sem velas). Boa música de fundo é uma boa pedida e flores frescas e uma toalha bem colocada, ajudam a dar um toque especial e provocar um prazer simples.

4- Evite romper o relaxamento

Nada de falar de política ou temas tensos. É contra indicado pensar em trabalho ou problemas. A televisão, o iPad e o smartphone também impedem as conexões sociais com o hygge.

5 – Concentre-se num só assunto com todos

Depende do tamanho da casa, mas consegue-se maior interação em lugares pequenos – assim é mais fácil manter uma única conversa em vez de várias conversas paralelas.

Hygge-new-years-eve-champagne-1080x720

6- Mais atenção para o que se come 

Cozinhar em conjunto também é hygge. Reunir-se com a família e os amigos para preparar uma receita tradicional ou fazer um bolo.

7 – Resgate sua identidade 

Alguns dizem que o hygge tem a ver com fazer coisas que os antepassados reconheceriam. E está relacionado com as tradições ou objetos de valor sentimental. Tomar chá numa caneca da avó ou usar a receita de bolo da bisavó – Escolha a sua lembrança afetiva e resgate.

Hygge-relax

8 – Fique confortável

Vale tudo o que te deixa assim: roupa cômoda, ficar na cama ao domingo debaixo do edredom por mais tempo, com um bom livro e um café. Esticar-se no sofá com uma bebida gelada e ver um filme – escolha seu conforto preferido e vá fundo!

Hygge-the-little-book-of-hygge-penguin-hot-chocolate-lisa-hjalt-03

9 – Conjugue o verbo e passe a ação

Na Dinamarca é substantivo, adjetivo, advérbio e verbo. Serve para descrever a camisa confortável que se veste ou para dizer a alguém  “vamos ver um filme e comer doces” Use com frequência para partilhar com os amigos quanto é bom estar com eles – e expresse sua felicidade com  seu momento hyggelig.

10 – Seja consciente desse momento

Há tantas coisas ser hygge para nós – ainda mais com as belezas naturais do nosso país – mas o que diferencia os dinamarqueses é que eles são capazes de identificam e nomeiam esse momento de bem-estar. Eles aprenderam a “viver o momento e desfrutar o agora“.

hygge-book

Ok, concordo que não somos dinamarqueses, mas tenho certeza que com o nosso jeito brasileiro de ser, em pouco tempo teremos uma palavra mais fácil para esse termo – e estaremos dando aulas de hyggelig – ou do que quer que seja o termo batizado por aqui….




Como fazer para comprar um bom azeite

Um bom ponto de partida – de cara perceba a data do envase (quando foi envasado) e não necessariamente a de validade. Azeite é um produto para ser consumido “in natura” jovem: com até no máximo um ano de idade. Mais do que isso, pode ser usado para cozinhar ou para conservas…

Também é preciso entender que há azeites mais adequados para temperos de saladas, outros para incorporar no preparo de pratos – substituindo de forma mais saudável, a manteiga e margarina. E há ainda os que são utilizados na finalização de pratos como peixes, massas e outros assados.

Vantagens de usar azeite – segundo nutricionistas e nutrólogos, o azeite é o óleo mais saudável para consumo, mesmo quando aquecido.

Com propriedades antioxidantes, ajuda na prevenção de doenças cardiovasculares, estimula a redução do colesterol LDL (ruim), sem afetar o HDL (bom), permitindo o equilíbrio entre os dois no organismo. É mais barato, mantém o valor nutritivo do azeite e forma uma crosta na superfície dos alimentos, que impede a penetração do produto no interior, tornando-o mais seco e apetecível.

Perola, da Casa da Perola, em degustação mostrando as muitas formas de se valorizar um bom azeite.

 

As diferenças entre os azeites – é preciso entender as nomenclaturas. Segundo a OLIVA (Associação Brasileira de Produtores, Importadores e Comerciantes de Azeite de Oliveira), só podem ser considerados “Azeite de Oliva” aqueles óleos obtidos exclusivamente do fruto da oliveira, ou seja, da azeitona.

Nessa categoria há as denominações “Oliva”, “Virgem” e “Extra Virgem”, de acordo com processos físicos ou mecânicos pelos quais os produtos são submetidos. As diferenças de clima, solo, processo de extração e colheita é que definem cada uma.

Azeite de Oliva: é refinado, enriquecido com azeite virgem, aromático e frutado, com grau de acidez igual ou inferior a 1,0%. É ideal para frituras, devido sua elevada resistência às altas temperaturas.

Perola, reforçando a qualidade dos azeites nacionais e indicando onde encontrar

 Azeite Virgem: é azeite extraído apenas por processos físicos. Sua acidez varia de 0,8% até 2%. No Brasil é mais difícil encontrá-lo para comercialização..

Azeite Extravirgem: é prensado a frio, processo que mantém seus nutrientes. Sua acidez é a mais baixa, com limite até 0,8%. O azeite com baixa acidez indica que foi proveniente de um fruto de boa qualidade e obteve uma boa qualidade de tratamento e conservação

Óleo Composto ou Azeite Composto: Há também os produtos compostos, normalmente mais baratos, porém de qualidade inferior: tem cor clara e perde aroma, cor e sabor, devido ao processo de refinamento do óleo, responsável também pela perda de nutrientes.

Geralmente é misturado ao azeite extra virgem, dando origem aos óleos ou azeites compostos. Sua acidez varia de 1,5% a 3% e é muito comum nos mercados.

Mas atenção: muitos especialistas alertam que esses óleos são ricos ácidos graxos saturados, que são prejudiciais à saúde – ainda mais se utilizados em altas temperaturas.

Dica – nunca deixe de ler o rótulo com atenção: muitas vezes os óleos compostos tem rótulos muito parecidos com os dos azeites. Mas são completamente diferentes – tanto no sabor, quanto no preço. Mas, principalmente nos benefícios que o verdadeiro azeite traz a saúde – o que não ocorre com óleos compostos.

Dica 2 – lembre de usar azeites em saladas de frutas e sorvetes – pode parecer estranho mas é uma delícia e há uma infinidade de possibilidades e novos paladares

Abaixo o Prosperato – azeite nacional ligeiramente picante.

Fonte e Serviço –  @casadaperola, eventos, gastronomia e azeite experience.




Colegas e Apaixonados

mulher loira bonita, vestida com camisa azul clara, sentada à frente do computador mostra papéis de trabalho para um homem. Percebemos que eles estão em um escritório e tendo uma conversa agradável

Quando também estamos interessados – é fácil, basta ver, dia a dia, caso a caso, como a coisa se desenvolve. Mas quando sabemos que não vai rolar, a situação é mais delicada. O ideal é deixar claro, de todas as maneiras possíveis.

Mas de maneira leve, enfatizando que o problema é circunstancial, que você o/a valoriza profissionalmente, assim como sua amizade – e por isso mesmo acha melhor manter as coisas como estão. O argumento é manjado, eu sei, mas machuca menos…

E  atenção: procure não evitá-lo ostensivamente para não criar uma situação mais delicada ainda. E não comente nada (nada meeeesmo!!!) com outros colegas, para não transformar o fato em uma grande fofoca. Além de demonstrar falta de sensibilidade, seria uma indiscrição tão nociva quanto desnecessária.

E acredite, com o passar do tempo, a situação muda, mas vocês podem continuar colegas por… décadas! E aí, mais vale uma boa relação de amizade e confiança mútuas.

Não estamos falando aqui sobre assédio, certo? Isso é grave e deve ser resolvido de outra forma. E, vamos combinar, quase sempre dá para contornar um caso de paixonite  e entusiasmo que é muito diferente – além de menos nocivo – do que assédio e bullying.




Belezas Ocultas – como fazer para encontrar

Silhueta de uma mulher adulta e curvilínea agachada no escuro com apenas uma fresta de luz delineando a lateral das nádegas, coxas, ombro o braços. A impressão é de leveza e mistério uma vez que não se enxerga o rosto e apenas partes do corpo bem feito desenhado pela luz.

Pelo menos não de cara. Feios, desajeitados e os fora de padrão tem que esperar na fila e conformar-se em ser a segunda ou terceira opção de uma maioria de gente que está muito mais preocupada com massa muscular, massa magra, barrigas “tanquinho” e outros pérolas que se ouve para definir os gostosos e gostosas da vez.

Nada contra gente gostosa. Mas me espanta a miopia que faz com que se fale muito em diversidade mas, na prática, impede que as pessoas enxerguem as belezas ocultas de pessoas que, mesmo sem corresponder a esse padrão luminoso (porém medíocre), podem ser muito, mas muuuuuito mais interessantes e ricas para se conviver e amar.

Praticando a diversidade – La vita é bella perché é varia adoro esse ditado italiano que prega as belezas da não mesmice!

Verdade que minha mãe e amigas, na juventude, às vezes não entendiam o que eu via naquele namorado feioso mas genial ou no outro que era praticamente mudo de timidez mas a quem nada escapava – e que me enchia de carinho e atenções.

Sexo na veia – Hoje, vejo filha, amigas e filhas de amigas falando muito abertamente em sexo: falam de pegada, tanquinhos e das mais variadas maneiras de como alcançar a perfeição da forma para atrair um parceiro.

Falam, falam, pegam e voltam a falar para reclamar, botar defeito, tentar trocar e começar a caça – tudo de novo!

Eu, hein?

Paciência é tudo – acredite. Um dos grandes empecilhos para que as pessoas percebam o sutil encanto do não belo é a total falta de paciência que permeia essa geração.

Basta um Clic – hoje tudo é acessível a um simples clic do mouse. Você compra, namora, confere resultados de exames, pequisa destinos, produtos e até pessoas – tudo com um clique pela internet.

Aí vem dá uma preguiça louca de apurar os sentidos para perceber além das imagens luminosas e coloridas. Quando digo sentir, falo das sensações proporcionadas por conhecimento, confiança, intimidade… Hoje cada vez mais raros de se encontrar em um mundo onde tudo é tão escancarado e exposto.

Excesso de exposição fragiliza – cada vez menos as pessoas tem noção do conceito de privacidade. Que te permite errar em particular. Fazer novas tentativas sem anunciar ao mundo que eventualmente tenha se enganado e, principalmente sofrer e se recuperar dando-se o devido tempo para isso.

Ninguém hoje admite que erra, que está mais velho ou mais gordo – já reparou? Todos querem sempre afirmar que estão ótimos, que já superaram aquela dor de cotovelo e (horror dos horrores) que já estão com um “novo namoradinho” (ou namoradinha)…

A alma se apequenou – na mesma proporção em que as pessoas não querem mais perder tempo com nada – pode conferir. Uma pena pois, sentir muita tristeza permite que depois se aproveite melhor os pequenos momentos de alegria e paz.

A medida que aprendo a apreciar pessoas diferentes das apenas perfeitas permito-me um leque muito maior de amizades, amores – e experiências infinitamente mais ricas e gratificantes.

Vejo as jovens descabelando-se na fila de uma bolsa da moda e tenho a certeza de que, em vez de tanta loja, grifes e academia, mais produtivo seria aprender a arte da contemplação. Escutar. Olhar. Enxergar e descobrir. E aprender a desfrutar as belezas ocultas.

Foto de dunas de areias brancas no deserto de onde se ergue uma formação rochosa como uma grande gruta sobre a areia. Por uma abertura das paredes da gruta entra uma luz azul e forte iluminando a paisagem. Aos pés da gruta, uma figura minúscula de um beduíno com a capa esvoaçante dá idéia da grandeza da natureza.




Pulos do gato na cozinha – vale a pena usar!

Em uma travessa redonda está um risotto com uma camada de camarões por cima salpicada com salsinha

 

Aprendi isso na casa de Marli – uma chef de mão cheia que faz tudo sem alarde. Ela e Lúcia, fiel escudeira, usam – além de bons ingredientes, paciência e carinho – pequenos truques que podem até parecer óbvios mas que, no dia a dia, muita gente descuida e acaba não usando.

Pois acredite: há alguns cuidados que são verdadeiros pulos do gato na cozinha – e que fazem toda a diferença do mundo.

Camarão crocante – já deve ter acontecido com você: depois de refogar ou fritar o camarão temperado com o maior amor, ele ficou borrachudo! Além da frustração, um constrangimento só, não é mesmo?

Minha amiga Marli contou um dos seus muitos segredos: ela não salga o camarão antes de fritar – pois cria água – e o efeito borracha.

Assim, ela aconselha fritar antes em óleo bem quente para selar – e só então salgar. Simples né?

 

Sobre um engradado de madeira uma garrafa de vidro transparente com azeite de oliva e algumas ervas e pimenta. Ao lado da garrafa, algumas ervas , uma cabeça de alho e 3 pimentas dedo-de-moçaAlho no ponto – outro vilão de alguns temperos pode ser o alho: em vez de acrescentar gosto e picância, ele pode amargar.

Para que isso não aconteça é preciso ficar esperto e não deixa nem dourar pois, ao contrário da cebola, que dourada produz mais sabor, o alho amarga em questão de segundos…

Outra coisa que reparei vendo Marli cozinhar: ela não tem medo do alho. Pica-o em pedaços pequenos e firmes sem tentar diminuir demais espremendo – e tirando-lhe o melhor do paladar. E aplica-o generosamente na hora de temperar o que quer que seja.

Cada refeição era um verdadeiro deleite. Mas entendi que era muito mais por esses pequenos cuidados – e muito amor no que fazia – do que pela elaboração complicada de pratos e receitas inventivas.

Salvar

Salvar